Notícias

Dados online: consumidores com maior controlo

15 março 2017
Dados online: exigimos que sejam pessoais e intransmissíveis

Os seus dados devem ser pessoais e intransmissíveis. Queremos transparência e dar um papel ativo aos utilizadores no mercado de dados. Assine o manifesto "Os meus dados são meus".

429 milhões de identidades expostas

Em 2015, 429 milhões de identidades ficaram expostas devido a registos pessoais perdidos ou roubados. Entrevistámos Amanda Long, Secretária-geral da Consumers International  (organização que agrega associações de consumidores em todo o mundo), que este ano dedica o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor (15 de março) ao mundo digital.

Por que a Consumers International (CI) decidiu dedicar, em 2017, o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor ao mundo digital?
A tecnologia digital e a internet mudaram a vida dos consumidores. Ao mesmo tempo que beneficiámos desta tecnologia, questionamo-nos sobre como criar acesso à internet para muitos consumidores não conectados, o que acontece aos dados partilhados online e quais os direitos dos utilizadores face aos produtos digitais. As grandes mudanças são também desafios. Enquanto o telefone demorou 75 anos para chegar a 50 milhões de pessoas, o Facebook levou um ano e o Instagram apenas seis meses. Uma sondagem de 2015 a membros da CI revelou que, em muitos países, a regulação não responde à rápida mudança de cenário. O Dia Mundial dos Direitos do Consumidor é uma oportunidade para procurar soluções para as preocupações sobre a tecnologia digital.

Com os nossos membros em todo o mundo focados nos assuntos específicos do digital que mais afetam os utilizadores, esperamos gerar uma variedade de atividades, campanhas e acontecimentos conjuntos, com o objetivo de criar um mundo digital melhor. Esperamos que este esforço coletivo coloque o consumidor no coração da economia digital e chame a atenção de empresas, governos e legisladores.

Quais os principais problemas que o consumidor enfrenta no mundo digital?
Acesso e escolha, reencaminhamento online, escolhas informadas e claras e segurança. Pedimos aos nossos membros para se focarem nestes pontos-chave. Há problemas com a falta de acesso à tecnologia digital. Menos de 10% das pessoas que vivem nos países economicamente subdesenvolvidos acedem à internet, face a mais de 80% nos países desenvolvidos. Os cidadãos preocupam-se com a segurança dos seus dados. Mais de 500 milhões de registos digitais pessoais perderam-se ou foram roubados em 2015, deixando 429 milhões de identidades expostas. E estes são os números que conhecemos, pois muitos não são reportados. Mundialmente, 74% das pessoas estão preocupadas com a utilização que as empresas fazem da sua informação.