Notícias

Apps de mensagens: a opção certa para falar à borla

07 abril 2017
apps de mensagens gratuitas

Hoje já poucos estão dispostos a pagar para trocarem mensagens, graças à revolução das apps grátis. Testámos 25 soluções e verificámos que têm bom desempenho. Mas, atrás do grátis, escondem-se estratégias para potenciar o negócio.

Facebook Messenger à frente

Instalar uma app no smartphone ou no tablet não requer grande ciência. Basta uma visita à loja de apps do respetivo sistema operativo: Google Play para o Android e App Store para o iOS. Os mensageiros mais populares têm versões que correm nestas duas plataformas, alguns inclusive no velhinho Blackberry. Aparentemente iguais, as versões são um pouco diferentes. Não só o aspeto gráfico pode variar, como também o smartphone em que é instalada a app determina a experiência de utilização. De modo a não influenciar os resultados, testámos as apps para Android no Google Nexus 5X, uma vez que este smartphone não inclui nenhuma personalização efetuada pelo fabricante no sistema operativo. Já para o iOS, escolhemos o iPhone 6S.

Como esperado, os resultados entre plataformas nem sempre foram coincidentes. Apesar de o Facebook Messenger ter revelado o melhor desempenho em ambos os sistemas operativos, a versão para Android provou ser algo mais versátil do que a sua gémea para iOS. A possibilidade de integrar as tradicionais sms e de personalizar notificações, bem como a inclusão de atalhos para a conversação no menu inicial, estão entre as principais razões. Mais homogéneo foi o comportamento do WhatsApp, segundo classificado em ambas as versões. Basicamente, as apps mais populares revelaram-se as mais versáteis, intuitivas e fáceis de utilizar. Mas, para quem se preocupa com a segurança e a privacidade, o Telegram, que é muito utilizado por jornalistas e tem um bom desempenho, pode ser uma alternativa às apps mais difundidas.