Primeiras impressões

Xbox 360 aposta na miniaturização

27 fevereiro 2014 Arquivado

27 fevereiro 2014 Arquivado

Tamanho reduzido, menos ruído, mais ligações e comando por movimentos são os principais argumentos da Xbox 360 da Microsoft, à venda por cerca de € 199, na versão de 4 GB. A sua principal rival, a Sony PS3 Slim de 12 GB, disponível por cerca de € 175, apresenta algumas vantagens.

Lançada em 2010, esta consola rivalizava com a Wii, da Nintendo, ao introduzir o comando por movimentos com ligação Kinect, que permite controlar os jogos com o corpo. Trata-se de um sistema de reconhecimento de imagem através de câmara própria. Principal diferença entre o sistema Kinect da Xbox e as soluções da Nintendo e Sony (Move): na primeira não precisa de manipular um comando. Basta usar a câmara para captar os movimentos do corpo.

Se tiver uma velhinha Xbox 360, pode usar este periférico em qualquer modelo da Microsoft através de um cabo adaptador.

Câmara Kinect
Câmara Kinect permite controlar os jogos com os movimentos do corpo, vendida à parte por 149,99 euros.

Diferenças saltam à vista
A Xbox 360 de 250 GB é bastante mais pequena (270×75×264 mm) do que a sua antecessora. Utiliza a mais avançada tecnologia de miniaturização, com o processador e placa gráfica agrupados num único chip. A caixa, em formato tipo “X”, está mais brilhante com o acabamento “glossy”.

O consumo máximo foi reduzido para metade, quando comparado com a primeira versão, de 2005: 90W contra 180W num jogo e apenas 70W na representação dos menus.

No corpo da consola, os comandos sensíveis ao toque substituem botões físicos. Quando activados, estes emitem um som de feedback.
 
Na parte traseira, aumentou o número de portas USB (de 1 para 3). Além da ficha multi A/V (vídeo analógico) e a HDMI, foi introduzida uma saída digital óptica para ligar amplificadores AV. Há ainda duas portas USB frontais.

Como inclui Wi-Fi de origem, já não obriga os utilizadores a comprar um adaptador externo para ligar a consola à rede doméstica sem fios.

Ligações da Xbox 360
A nova Xbox 360 tem mais ligações. Destaque para HDMI, 5 USB, Ethernet e uma para o comando por movimentos.

Disco rígido bem selado
O disco rígido de 250 GB é do tipo SATA 2,5” convencional, comum em computadores portáteis. É o suficiente para a maioria dos utilizadores. Mas está selado num invólucro de plástico, que usa uma ficha própria e impede a troca por um disco standard. Para expandir a capacidade, resta-lhe comprar um da Microsoft.

Também não pode recorrer ao disco rígido da versão anterior, pois o formato das caixas onde os discos rígidos estão localizados é diferente.

Na rival Sony Playstation 3, o acesso ao disco é facilitado e o utilizador pode usar qualquer disco SATA 2,5”, pelo menos, até 640 GB.

Xbox 360 com disco rígido SATA 2,5'' convencional
Apesar das diferenças, ambas as versões estão equipadas com um disco rígido SATA 2,5” convencional.

Fim ao historial problemático
Desde 2005, a Xbox 360 ganhou reputação negativa devido à tendência para sobreaquecimento e consequentes avarias mesmo em locais com ventilação adequada. A causa exata nunca foi revelada.

As versões da Xbox 360 produzidas depois de 2008 sofrem em muito menor escala do sobreaquecimento. Na Xbox 360, os componentes internos mais pequenos e eficientes produzem menos calor, o que permite resolver o problema.

Vantagens da miniaturização

  • Quanto mais pequenos forem os chips, maior quantidade se pode integrar numa peça de silicone (conhecidas por “wafers”) e reduzir nos custos de produção.
  • Transístores de tamanho reduzido precisam de menos corrente eléctrica, o que diminui o consumo.
  • Menos consumo é sinónimo de menor aquecimento dos componentes, o que, por sua vez, reduz a necessidade de usar dissipadores e ventoinhas. O ruído também diminui.