Primeiras impressões

Óculos Sony PlayStation VR: a realidade virtual está mais confortável e acessível

30 novembro 2016
Conheça as características, preço e desempenho dos óculos de realidade virtual Sony PlayStation VR.

30 novembro 2016
São os óculos de realidade virtual mais confortáveis do momento e mais baratos do que as soluções semelhantes para computador. Os Sony PlayStation VR propõem uma viagem pelos mundos da consola de jogos.

Início

Competentes, bem desenhados e com um preço competitivo, os óculos de realidade virtual Sony PlayStation VR (ou PS VR) permitem estar “no centro da ação” dos jogos de PlayStation. São os mais confortáveis entre os produtos deste tipo e têm potencial para alcançar um público mais abrangente do que as soluções lançadas até agora.

Custam € 399,99, um preço bastante inferior aos cerca de € 700-800 dos Oculus Rift e HTC Vive Pre, que só funcionam com computadores de topo (preços geralmente superiores a 1000 euros).

Mas não basta ter uma PS4 e os óculos para usar o sistema sem limitações. A câmara da PlayStation (€ 60) é indispensável e alguns jogos exigem comandos por movimento (PS Move – 39,9 com um jogo). Feitas as contas, o investimento no conjunto do headset com a câmara é de cerca de 460 euros. Somando a consola, totaliza cerca de 760 euros.

O headset (gadget que se coloca na cabeça e onde os óculos estão integrados) pesa 610 g e possui acelerómetro e giroscópio. Estes componentes detetam a aceleração e movimento da cabeça e permitem que o jogador “explore” o cenário em redor quando roda a cabeça. O ângulo de visão proporcionado é de cerca de 100°. O headset integra ainda microfone e ligação para auscultadores, para passar o áudio dos jogos e comunicar com outros jogadores online.

Os óculos são vendidos em conjunto com uma caixa externa que tem de estar ligada a uma fonte de alimentação em permanência. Esta unidade serve para estabelecer a ligação entre o headset e a consola. A montagem é simples, mas implica fazer muitas ligações com cabos HDMI e USB, o que resulta numa confusão de cabos.

 
Os óculos PS VR vêm acompanhados de uma série de componentes, como a caixa externa de ligação à consola e o cabo PS VR.
 
As imagens são reproduzidas pelos óculos num ecrã OLED de 5.7 polegadas. Este divide-se em dois ecrãs de 960x1080 pixels, que resultam numa resolução total de 1920x1080 pixels. Esta resolução é inferior à dos Oculus Rift, HTC Vive Pre e também dos Gear VR (desenhados para smartphones Samsung), mas ótima para PlayStation 4, que não possui poder de processamento para uma resolução superior, por forma a manter uma boa fluidez nos jogos (excetuando a nova PS4 Pro, que não tivemos a possibilidade de analisar).

O headset pode ser usado com jogos que não são compatíveis, como visor 2D (tem a vantagem de oferecer maior ângulo de visão). Tem também capacidade para ler fotos e vídeos em 360° com a app “Leitor de multimédia de 360°”.

A quantidade de jogos compatíveis é reduzida e, para já, estão disponíveis para download apenas algumas demos de filmes de realidade virtual (normalmente de curta duração). A indústria de “filmes para adultos” já se adiantou às grandes produtoras, que pouco investem no formato, e disponibiliza vários títulos compatíveis com o leitor de multimédia 360°.

Um dos problemas apontados a estes aparelhos de realidade virtual é o isolamento em que o jogador é colocado, pois fica desligado das pessoas que eventualmente o rodeiam. A Sony tenta contornar a questão com duas soluções: exibir no televisor, para quem quiser acompanhar, o desenrolar da ação do jogador, ou aproveitar esse ecrã para um segundo jogador (um jogador segue a ação através dos óculos e o outro no ecrã).

Imprimir Enviar por e-mail