Notícias

Portugueses identificam notícias falsas nas redes sociais

Maioria dos inquiridos defende que, para combater as chamadas fake news, é necessário aplicar multas pesadas aos meios de comunicação que não cumpram.

  • Dossiê técnico
  • Bruno Carvalho
  • Texto
  • Isabel Vasconcelos
23 outubro 2020
  • Dossiê técnico
  • Bruno Carvalho
  • Texto
  • Isabel Vasconcelos
Fake news

iStock

Mais de metade dos cerca de 1000 consumidores que responderam ao nosso inquérito apercebem-se com frequência de notícias falsas nas redes sociais (como Facebook, Twiter ou Instagram). Também as detetam nas revistas de celebridades (a chamada imprensa cor-de-rosa) e nas apps de mensagens, como o WhatsApp, onde 41% dos inquiridos encontraram notícias ou informações falsas.

Descubra as nossas dicas para detetar fake news.

Menos notícias falsas na rádio

A rádio, seguida pela televisão e pelos jornais ou revistas impressos, são os meios onde os inquiridos menos se apercebem de notícias falsas. O problema é mais frequente nas plataformas online, onde também é mais simples e rápido difundir notícias.

Gráfico 01

Multas para combater fake news

A grande maioria dos inquiridos defende que as notícias falsas são perigosas para a democracia e, talvez por isso, deverá haver punições tanto para os meios de comunicação como para os jornalistas que as difundam. Até porque, segundo 58% dos portugueses que responderam, há falta de legislação para controlar eficazmente as notícias falsas e são poucos os que concordam que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social controla com eficácia a publicação de fake news.

gráfico 2

Para a realização deste estudo, enviámos, em abril de 2020, um questionário online a uma amostra representativa da população portuguesa. Recebemos 1006 respostas válidas. Os resultados apresentados espelham as opiniões e as experiências dos participantes no estudo.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.