Alertas

Microsoft força atualização para Windows 10

02 junho 2016
Microsoft força atualização para Windows 10

02 junho 2016

Se tem um computador com Windows 7 ou 8, esteja atento. A Microsoft está a aproveitar o mecanismo de atualização automática dessas versões para agendar a instalação automática do Windows 10 sem autorização expressa.

Alguns utilizadores têm sido surpreendidos com o Windows 10 em computadores que funcionavam com as versões 7 e 8 do sistema operativo da Microsoft. A mudança pode ser evitada se for cancelada a tempo, mas são constantes as tentativas de persuasão em forma de notificações pop-up.

Na raiz do fenómeno está o mecanismo de atualização, presente nos Windows 7 e 8 para corrigir bugs e verificar a existência de atualizações, entre outros fins. É aconselhável tê-lo ligado porque mantém o sistema em dia. Por norma, só os utilizadores avançados desligam este mecanismo, para obter controlo total.

Com o lançamento do Windows 10, a Microsoft anunciou que este novo sistema operativo poderia ser obtido gratuitamente por utilizadores com licenças do Windows 7, 8 ou 8.1 até 29 de julho de 2016. 

Porém, à medida que o prazo se aproxima do fim, a Microsoft incluiu a mudança para Windows 10 nas atualizações regulares das versões 7 e 8 e marcou-a como atualização recomendada. O resultado é o agendamento automático dessa atualização para datas de que os utilizadores se podem aperceber ou não.

A nova caixa pop-up que surge nos computadores com Windows 7 ou 8 e mecanismo de atualização automática ligado. Alguns utilizadores afirmam, porém, que o Windows 10 foi instalado nas suas máquinas sem que nunca a tivessem visto.
O sistema lança avisos com a data agendada, que é possível adiar, mas que tornam a aparecer nas atualizações seguintes. Os utilizadores que não veem estes avisos a tempo podem ser apanhados de surpresa por um novo sistema operativo ao iniciar o computador.

Mesmo que o Windows esteja configurado para instalar atualizações apenas com autorização, é necessário rever toda a lista de atualizações para impedir a mudança. Tendo em conta que, em média, é lançada uma dúzia de novas atualizações a cada duas semanas, a possibilidade de o Windows 10 escapar ao “radar” do utilizador é real.

Clicar no “X” do canto superior direito para fechar a notificação, remover ou excluir a atualização não impedem que aconteça. Uma vez alcançada a data para a qual foi agendada, a atualização para Windows 10 será posta em marcha.

A única forma certa de impedir a mudança sem prescindir do mecanismo de atualização é recorrer a aplicativos desenvolvidos por terceiros. Estes desabilitam o processo, vigiam e removem ficheiros de instalação descarregados pelo Windows 10. 

O ícone “atualizar para Windows”, presente na barra de ferramentas, é outro elemento recentemente introduzido nos computadores pela Microsoft que emite lembretes regulares.

O novo ícone “atualizar para Windows”, instalado na barra de tarefas dos computadores com as versões 7 e 8 do Windows.

Para deixar de receber estas notificações basta seguir três passos simples. Note que antes de o fazer deve confirmar que cancelou as atualizações automáticas para Windows 10.

  • Clique na barra de tarefas com o botão direito do rato e selecione Propriedades;
  • no campo das notificações, clique em Personalizar;
  • procure o ícone GWX e selecione Ocultar ícone e notificações.
Siga estes passos para parar de receber as notificações que sugerem a atualização para Windows 10.

Esta prática da Microsoft poderá estar ligada à mudança de paradigma que o Windows 10 representa. A par de um sistema operativo, esta nova versão é uma plataforma de produtos e serviços, com ferramentas de monitorização e colheita de dados.

O lançamento de versões para desktop e smartphone do Windows 10 é também um reflexo desta evolução do paradigma. A Microsoft procura assim proporcionar uma experiência unificada em todos os aparelhos: computador, tablet e smartphone.

O novo sistema operativo partilha muitas funcionalidades com o Windows 8.1, mas ultrapassa os antecessores em versatilidade e utilidade. Exemplos disso são o assistente Cortana, um adversário à altura da Siri da Apple, o novo browser Edge e as inovações na interface, que combina elementos tradicionais, como o famoso botão “Iniciar”, com itens mais modernos da interface Metro, como os mosaicos clicáveis e interativos introduzidos pelo Windows 8

Já a informação recolhida pela Microsoft através do Windows 10 serve para melhorar os serviços disponibilizados, mas também para fins de pesquisa e publicidade. Quanto mais informações a Microsoft tiver, maior é o seu valor e as receitas que a sua venda poderá gerar.

A transmissão de dados do Windows 10 é imparável, como descobrimos numa investigação recente, e pode incluir praticamente todas as interações e conteúdos guardados no computador, consoante as permissões dadas pelo utilizador. 

A DECO considera que a mudança para o Windows 10 deve partir de uma escolha informada e não de uma atualização automática e imposta, que viola a regra do opt-in (ou seja, o consentimento prévio para o envio destas comunicações não solicitadas), de acordo com a legislação de proteção de dados pessoais. Por esse motivo, irá reclamar junto da ASAE, da ANACOM e da CNPD, as entidades reguladoras competentes.