Notícias

Facebook deve compensar os consumidores

Junte-se ao nosso grupo no Facebook para exigir que os consumidores sejam compensados e para obrigar a empresa a comprometer-se com boas práticas no futuro. 

22 maio 2018
facebook

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, é hoje ouvido no Parlamento Europeu (PE) para prestar esclarecimentos sobre o uso dos dados dos seus utilizadores. Pode seguir a audição no grupo “Os meus dados são meus”, que a DECO PROTESTE e as suas congéneres da Bélgica, Itália, Espanha e Brasil lançam hoje no Facebook. O nosso objetivo é usar este grupo naquela rede social para alertar os consumidores para a utilização dos seus dados.

Seguir o grupo Os meus dados são meus

No grupo, os consumidores poderão encontrar respostas para as suas questões relacionadas com este tema, descobrir as diferentes formas de partilha dos seus dados e fazer parte daquela que pretende ser a maior comunidade a apresentar o descontentamento dos seus utilizadores ao Facebook .

Assim que rebentou o escândalo Cambridge Analytica, estabelecemos uma conversa direta com a empresa. Durante várias semanas, aguardámos pelas respostas às nossas questões, mas não recebemos nenhuma satisfatória, direta, inequívoca. Até agora, o Facebook tem apresentado uma nova postura e uma nova política de proteção dos dados dos consumidores, mas sem divulgar medidas concretas.

Por isso, na audição no Parlamento Europeu, Mark Zuckerberg deveria começar por responder ao que perguntámos:

  • que compensação vai ser paga aos consumidores afetados?
  • no futuro, como poderá o Facebook controlar os dados?
  • quais os resultados da inspeção interna, anunciada pelo Facebook, para eventual deteção de outras violações?
  • que medidas concretas vão ser tomadas para recuperar a confiança nesta rede social?
  • como será a gestão da partilha de dados (com quem, quando e como) dos utilizadores do Facebook compatível com o seu modelo de negócio? 

Vamos lutar pela proteção dos direitos dos consumidores enganados e pelo estabelecimento de uma compensação pela utilização abusiva dos seus dados. Queremos também que as redes sociais dividam os ganhos recebidos com os dados dos utilizadores com os consumidores.