Notícias

CES Las Vegas: 5 novidades para seguir e outras para sonhar

08 janeiro 2015 Arquivado
CES_LasVegas_2015

08 janeiro 2015 Arquivado

Apresentamos alguns equipamentos realmente inovadores e um pouco da criatividade sem limites na tecnologia, numa edição pouco fértil em lançamentos.

Início

Percorrer quase 20 mil passos por dia (sim, entrámos no espírito dos geeks e medimos mesmo com um smartphone) entre standes não tem sido suficiente para nos surpreendermos com as propostas dos fabricantes, naquele que é considerado o maior certame ao nível mundial na área da tecnologia.

A falta de criatividade é sobretudo notória entre os tablets e telemóveis. Tudo indica que as marcas estão a guardar os trunfos para a Mobile World Congress, em Barcelona, um evento dedicado ao setor dos telemóveis, que se realizará em março.

Ainda assim, selecionámos alguns equipamentos inovadores que podem fazer a diferença num futuro próximo.

Som organizado pela casa
A ideia por trás dos multi room speakers da Sony é dispor diferentes colunas de som pelas várias divisões da casa e comandá-las através de uma aplicação. Por exemplo, será possível partilhar a música da sala com a cozinha ou, pelo contrário, separar a banda sonora do jantar da do quarto do mais rebelde da família. A aplicação consegue também identificar as propriedades das colunas agrupadas e nivelar o som para otimizar o resultado.

Em conjunto com barras de som, amplificadores e colunas mais portáteis, estes equipamentos devem chegar às lojas da Europa ainda este ano.

O som de toda a casa reunido e comandado numa só aplicação.
O som de toda a casa reunido e comandado numa só aplicação.
Treino inteligente
Algumas propostas que juntam tecnologia e saúde ou exercício físico continuam em alta na CES. Os auscultadores para desporto Smart B-Trainer da Sony destacam-se por dispensar o telemóvel durante o treino para registar estatísticas ou ouvir música. Leves e ergonómicos, incluem GPS e leitor de música, monitorizam o ritmo cardíaco, entre outras funções.

Quer se prepare para a maratona ou apenas pretenda afastar o stresse numa corrida rápida, os Smart B-Trainer adaptam a música ao seu desempenho, com vista ao objetivo traçado. Tal como um personal trainer, a música e as instruções vocais servem de incentivo ao longo do exercício: se estiver a correr demasiado rápido para a maratona, os auscultadores sugerem que diminua o ritmo e a música selecionada será mais calma.

Os Smart B-Trainer pretendem estar à altura de um personal trainer.
Os Smart B-Trainer pretendem estar à altura de um personal trainer.
O primeiro aviso de bateria fraca no telemóvel pode ter um lado positivo. No caso do YotaPhone2, basta mudar a perspetiva: ao virar o telemóvel, o ecrã principal desliga-se e fica disponível um ecrã de tinta eletrónica, que consome muito pouca bateria. A imagem torna-se monocromática e pouco detalhada, mas serve para as funções básicas, como ver mensagens e fazer chamadas. Neste modo de “apenas contactável”, a marca anuncia uma autonomia até 100 horas. Está disponível online, por 699 euros.
Vai ficar sem bateria? O YotaPhone2 tem um plano de emergência.
Vai ficar sem bateria? O YotaPhone2 tem um plano de emergência.
Drones encolhem para as selfies
O espaço dedicado aos drones na CES aumentou bastante face ao ano anterior, mas alguns fabricantes reduziram os modelos para se aproximarem da moda das selfies, ou autorretratos. Na CES, vimos quadricópteros que cabem na palma da mão e que podem ameaçar os populares suportes extensíveis para capturar fotografias com telemóveis ou câmaras. O Zano, por exemplo, é específico para as selfies: não pode ser comandado como um drone comum e assume de início a posição ideal para a foto. Depois, pode fazer alguns ajustes com o telemóvel, antes de captar a imagem.
Pequenos drones podem ameaçar os suportes extensíveis para selfies.
Pequenos drones podem ameaçar os suportes extensíveis para selfies.
Leitor Blu-ray como solução para os conteúdos 4K
Sempre que falamos de televisores 4K, apontamos a falta de conteúdos nesta resolução para tirar partido dos equipamentos. São precisas soluções, mas temos dúvidas se o caminho passa pelos leitores Blu-ray 4K.

Vimos um protótipo destes leitores no stande da Panasonic. Os discos anunciados como compatíveis, de 100 GB, deverão permitir um qualidade 4K ótima, ao contrário dos serviços de streaming, onde a imagem é demasiado comprimida.

Contudo, serão capazes de convencer os consumidores? Os discos estão a cair em desuso, dos CDs de música aos DVDs e Blu-ray.


Imprimir Enviar por e-mail