Dicas

Fotografar à noite: troque o flash por uma exposição longa

10 outubro 2015

10 outubro 2015

Para conseguir o melhor resultado a capturar imagens noturnas de edifícios iluminados, siga os nossos truques.

Ao fotografar um edifício iluminado, de pouco servirá sacar a compacta do bolso e recorrer ao flash do aparelho. A dimensão do objeto obriga a recuar bastante para incluir tudo no enquadramento e, a essa distância, o flash não tem potência para iluminar o objeto. Mas, ainda que seja o caso, a menos que a máquina permita dosear a intensidade do flash ou combiná-lo com uma exposição longa, algo que requer mestria, o mais certo é que a iluminação do equipamento perturbe os jogos de luz do edifício.

O mais acertado é desligar o flash e usar um tripé ou outro apoio que permita à máquina manter-se imóvel. Existem incontáveis tipos de tripés, com preços muito variados, desde modelos pequenos, que podem custar € 3, até equipamento profissional, de construção sólida, que atinge os milhares de euros.

Para fazer esta foto com os melhores resultados, instale a máquina no apoio escolhido e ligue o disparador automático. Carregue no botão e deixe que a máquina faça o cálculo à exposição. O obturador pode ficar aberto durante largos segundos. Certifique-se de que a máquina fica imóvel durante esse tempo. Também não se aborreça se alguém passar em frente à máquina. Numa exposição tão longa, o mais certo é essa pessoa nem ser capturada ou deixar um rasto que pode render um efeito interessante.

Pode usar este truque para outro tipo de situações com objetos imóveis (por exemplo, interiores de igrejas, palácios ou museus). Com pessoas, o resultado não será o melhor, pois não conseguirão ficar imóveis durante tanto tempo. E, claro, com uma máquina híbrida ou reflex é possível explorar ainda melhor estas possibilidades.

Com flash e a máquina no automático, o uso mais comum nas compactas, o resultado é deficiente. Numa noite de chuva, o flash iluminou sobretudo as gotas de água, mais próximas da máquina.
Com flash e a máquina no automático, o uso mais comum nas compactas, o resultado é deficiente. Numa noite de chuva, o flash iluminou sobretudo as gotas de água, mais próximas da máquina.
Sem flash, mas com uma abertura de f:22, o obturador ficou aberto durante um segundo, o que permitiu captar as luzes do ambiente e iluminar a cena de modo equilibrado. Com esta exposição longa, tivemos de usar tripé.
Sem flash, mas com uma abertura de f:22, o obturador ficou aberto durante um segundo, o que permitiu captar as luzes do ambiente e iluminar a cena de modo equilibrado. Com esta exposição longa, tivemos de usar tripé.

Imprimir Enviar por e-mail