Notícias

Impressoras 3D mais caras do que úteis

01 setembro 2015

01 setembro 2015

Gostaria de criar brinquedos para os seus filhos? Um banco ou um modelo? Tudo será possível, em princípio, com uma impressora 3D. Procurámos a opinião de quem já tentou realizar estes sonhos.

Perguntámos a 87 consumidores que têm uma impressora 3D como tem sido a sua experiência com este equipamento no que diz respeito à marca, características do modelo, preço pago, facilidade de utilização e grau de satisfação. Se procura uma impressora tradicional, consulte os resultados dos nossos testes. Pode poupar € 110, se optar por uma das nossas Escolhas Acertadas, a Brother MFC J470DW, em vez da HP Photosmart 7520 e-AIO, que tem custos de impressão mais elevados e revelou menor qualidade no nosso teste.

Como funciona a impressão em 3D

A britânica RepRap e as americanas 3DSystem e MakerBot são as marcas mais frequentes, na amostra que recolhemos. No entanto, outras marcas seguem de perto esta tendência: a espanhola BQ, a holandesa Ultimaker, a belga Velleman, a chinesa XYZprinting e as italianas Wasp e Sharebot. 

A grande maioria dos inquiridos tem modelos 3D que não integram scanner. Todas são compatíveis com Windows, mas menos de metade são compatíveis com MacOS e Linux. Em geral, a ligação à Internet faz-se através da saída USB. A velocidade de impressão situa-se, para mais de metade da nossa amostra, entre 11 e 100 mm por segundo.

Preços entre 500 e 1000 euros
O preço de uma impressora 3D pode variar muito. Um quarto dos inquiridos referiu modelos que custam menos de 500 euros e outros 25% referiram ter investido em modelos que custam entre 500 e 1000 euros. Mas uma minoria dos inquiridos, cerca de 12%, não hesitou em gastar mais de 2 mil euros neste aparelho. Quase metade dos entrevistados afirmaram ter comprado a sua impressora 3D pela Net. 

Em relação aos materiais utilizados na impressão, os proprietários afirmaram ter gasto, regra geral, entre 21 e 100 euros nos últimos dois meses.

Talheres feitos em casa
A maior parte dos inquiridos afirmou aproveitar a impressora 3D para criar objetos de utilização diária: talheres, por exemplo, ou peças decorativas. Para a impressão é comum o uso de software de desenho gráfico, utilizado no campo das três dimensões, como Autocad ou Blender. Há ainda os materiais a utilizar. São, sobretudo, filamentos PLA (ácido poliláctico) e filamentos ABS (acrilonitrilo-butadieno-estireno), que os inquiridos afirmaram não ter problemas em encontrar.

Para que servem as impressoras 3D

As impressoras 3D são um produto recente com alguns pontos a rever e a melhorar. Em primeiro lugar, foi referido o controlo da temperatura da impressora. O scanner 3D, os cabos e a extrusora também deram problemas aos inquiridos. No entanto, 43% dos inquiridos afirmam estar satisfeitos com a prestação deste equipamento contra 2% de utilizadores que estão completamente desapontados. O aspeto associado a menor satisfação é a velocidade de impressão.