Tomada de consciência

A eletrificação dos meios de transporte é a melhor solução disponível hoje para responder ao aquecimento global, à qualidade do ar e à dependência de combustíveis fosseis. Com um preço por quilómetro cada vez mais competitivo, a evolução tecnológica das baterias contribui para menores tempos de carga e maior autonomia, um dos grandes entraves à massificação desta solução de mobilidade.

Além da autonomia, as baterias ainda pesam bastante, têm elevados tempos de recarregamento e um peso elevado no preço final do veiculo elétrico.

Além disso, e apesar de os construtores advogarem as “Zero Emissões”, há que lembrar que na produção destes modelos e dos seus componentes existem emissões de gases nocivos ao ambiente, tal como na produção da eletricidade. É verdade que estas emissões são feitas nas áreas de produção e não nas de utilização, livrando os centros urbanos de uma fonte importante de poluição. Se a produção de eletricidade se tornar 100% limpa, as emissões indiretas serão exponencialmente reduzidas, e referentes unicamente à produção e tratamento do veículo, e respetivas baterias, em fim de vida.

Se as suas deslocações não excedem os cem quilómetros diários e uma garagem ou outro local seguro para deixar o carro à noite a carregar, o elétrico é para si. Se tiver como única alternativa o carregamento na rede pública, informe-se sobre a disponibilidade de carregadores nas imediações da zona onde reside ou trabalha. Se existir boa oferta, o elétrico também será uma boa opção.

Num elétrico, cem euros de eletricidade podem chegar para 6000 km, ou seja, além de bons para o ambiente, os elétricos dão saúde à sua carteira, sendo possível realizar mais do dobro dos quilómetros com o mesmo investimento em combustível.

São várias as marcas com propostas de carros elétricos, para todas as carteiras. Atraídos pelo incentivo do Governo, muitos consumidores ponderam dar o salto e, em Portugal, o parque automóvel já conta com mais de 48 mil carros elétricos (100% elétricos ou híbridos). Há várias soluções:

  • Híbridos convencionais, em que o motor elétrico complementa o térmico, a gasolina ou a gasóleo. Nos híbridos convencionais, o motor elétrico complementa o térmico, sejam eles a gasolina ou gasóleo. Neste tipo de modelos não há modo de condução 100% elétrico, ele existe apenas como auxiliar (e dependente de um estilo de condução específico), proporcionando uma redução dos consumos.

  • Híbridos plug-in, que têm baterias e a possibilidade de as carregar numa tomada ou carregador. Em modo de condução 100% elétrico, garantem uma autonomia que ronda, normalmente, os 50 quilómetros.

  • Modelos 100% elétricos;

  • Fuel-cell, onde o hidrogénio produz a eletricidade que alimenta o motor elétrico.

Com um carro amigo do ambiente, poupa também no combustível e na manutenção do veículo, nos impostos, já que os veículos 100% elétricos estão isentos de impostos (IUC e ISV), e, em muitos municípios, o estacionamento é mais barato ou até gratuito.

Decidido a adquirir um carro elétrico? O nosso simulador do custo de utilização por quilómetro pode ser uma ajuda preciosa: além do valor de compra do carro, consideramos combustível, seguro, imposto, manutenção e pneus. Revelamos o custo real por quilómetro de quase 5 mil carros e nenhuma tecnologia escapa: gás, gasolina, gasóleo, elétrico, híbrido e híbrido plug-in.

Se comprar um veículo 100% elétrico em 2020, pode candidatar-se ao programa de incentivos do Estado para a aquisição de veículos elétricos, com um número limitado de unidades de incentivo. Este programa é revisto anualmente: este ano foi estipulado 700 unidades, num valor de 3000 euros cada.

Para os veículos de duas rodas (motociclos de duas rodas e ciclomotores, assim como bicicletas) elétricos o limite é de mil unidade de incentivo, e corresponde a 50% do valor de aquisição, até um máximo de 350 euros. O incentivo para a aquisição de uma bicicleta convencional está limitado a 500 unidades, e suporta 10% da despesa, até um limite de 100 euros.

O pedido é apresentado online, no site do Fundo Ambiental (Incentivo Veículos de Baixas Emissões 2020). Para a candidatura reúna todos os documentos primeiro: uma vez iniciado o processo não é possível corrigir ou acrescentar dados. Se for bem sucedido, o pagamento será feito por transferência bancária para a conta do beneficiário.

×
Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.

A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Saber Mais