Como administrar analgésicos a crianças

Para as crianças, a dose é definida em função do seu peso corporal. Geralmente, recomenda-se a versão dos medicamentos em solução oral, como xarope, que permite administrar a dose exata e é mais fácil de engolir. Por vezes, usa-se uma colher de chá (5 ml) para dar o medicamento à criança.

Administrar uma quantidade insuficiente compromete a eficácia do medicamento. Uma dose excessiva pode provocar sintomas como dores abdominais, náuseas e vómitos. Para uma medição rigorosa da quantidade de xarope em ml, se não tiver em casa, peça uma seringa na farmácia.

As crianças até aos dois anos não devem tomar fármacos de venda livre, a menos que recomendados pelo médico. Muitos não são indicados para os mais novos e há o risco de sofrerem efeitos indesejados graves. É o caso do ácido acetilsalicílico (aspirina), que pode causar danos cerebrais em crianças e adolescentes, levar ao coma e à morte. Esta reação rara, mas perigosa, é conhecida como síndroma de Reye e tem como principais sintomas náuseas, cólicas, cãibras e tremores. Aconselhe-se com o médico antes de administrar um medicamento à criança.

As crianças não são pequenos adultos. É errado pensar-se que metade de um comprimido de adulto é a medicação certa. Por exemplo, a função hepática e renal sofre alterações com a idade. Por norma, quanto mais nova for a criança, menos capacidade tem para metabolizar e expulsar substâncias. O medicamento permanece mais tempo no organismo, com risco de toxicidade.

Para os cálculos do simulador, recorremos aos dados de janeiro de 2018 do INFARMED, I. P. sobre os medicamentos disponíveis e as suas dosagens.