Dicas

Pílula do dia seguinte: quando tomar, eficácia e efeitos

Perguntas frequentes

Quando é necessário tomar a contraceção de emergência?

 Depois da relação sexual sem proteção ou se houver falha do método habitual (por exemplo, rutura do preservativo ou esquecimento da pílula).

Quando deve ser tomada a contraceção de emergência?

 Dentro das 72 horas e no máximo até ao 5.º dia após a relação sexual desprotegida. Porém, quanto mais cedo for a toma, maior é a eficácia.

A contraceção de emergência é eficaz?

 A eficácia é maior quanto mais cedo for usada. O risco de gravidez é 4 a 8 vezes superior quando não se utiliza a contraceção de emergência.

A contraceção de emergência tem efeitos secundários?

 Geralmente é bem tolerada. No entanto, podem surgir algumas queixas como: náuseas e vómitos (25% das mulheres podem sentir náuseas e dessas, apenas metade tem vómitos), tensão mamária, cefaleias, tonturas, fadiga, diarreia ou pequenas perdas de sangue após a toma da contraceção de emergência, que habitualmente não estão associadas a qualquer problema. Estes sintomas tenderão a desaparecer. Se estiver preocupada com algum destes efeitos, consulte um profissional de saúde.

A contraceção de emergência faz mal à saúde da mulher?

A contraceção de emergência é segura para a saúde da mulher. Não está associada a infertilidade, má formação fetal ou risco aumentado de gravidez fora do útero como, por vezes, se diz. Mesmo nas mulheres que necessitaram de tomar mais do que uma “pílula do dia seguinte” no mesmo ciclo menstrual não existem dados de efeitos adversos graves.

Como funciona a contraceção de emergência?

 A contraceção de emergência atua da mesma forma que a “pílula de toma regular”. Atrasa ou impede a ovulação e previne a fertilização ou a implantação. Se já estiver grávida, a contraceção de emergência não interrompe a gravidez.

A contraceção de emergência provoca o aborto?

 A contraceção de emergência não é abortiva, pois não resulta se a mulher já estiver grávida. Se a mulher pretender interromper a gravidez, deve dirigir-se ao centro de saúde a que pertence ou ao hospital e pedir uma consulta de interrupção de gravidez.

Após tomar contraceção de emergência quanto tempo a mulher demora a ficar fértil?

 O retorno à fertilidade é imediato, por isso é muito importante usar um método contracetivo (como o preservativo) até aparecer a menstruação. É possível engravidar logo depois de fazer a contraceção de emergência.

O que é mais eficaz: a contraceção de emergência ou a pílula de toma diária?

 A pílula de toma diária é muito mais eficaz que a contraceção de emergência. A pílula de toma diária tem uma eficácia de 99% se for tomada de uma forma correta, regular e continuada.

Como sei se a contraceção de emergência foi eficaz?

 Se tiver o seu período menstrual. A menstruação poderá antecipar-se ou atrasar-se mais ou menos 1 semana da data prevista.

E se o período não aparecer?

Caso o período não surja ou se o fluxo menstrual for invulgar, deverá consultar um profissional de saúde para realizar um teste de gravidez.

Se a contraceção de emergência falhar e ficar grávida, “faz mal” ao feto? 

 A contraceção de emergência não faz mal ao feto. Após um teste de gravidez positivo, a mulher deve, o mais cedo possível, iniciar a vigilância da gravidez. As consultas de saúde materna e os exames necessários para uma correta vigilância da gravidez são gratuitos nos centros de saúde.

Outras respostas sobre contraceção

Para que serve o planeamento familiar?

As consultas ajudam a programar o nascimento dos filhos, a evitar a gravidez indesejada e as doenças sexualmente transmissíveis.

Pretendo iniciar a vida sexual: que precauções tomar?

 O mais seguro é falar com um profissional de saúde, por exemplo, numa consulta de planeamento familiar ou de atendimento a jovens e adolescentes. Ficará a conhecer os métodos contracetivos disponíveis e pode escolher o mais adequado, com a ajuda do técnico. Assim, reúne armas para viver a sexualidade de forma segura e saudável.

Sou obrigado a ir ao meu centro de saúde?

Os jovens e adolescentes podem dirigir-se a qualquer centro de saúde, maternidade ou associação que ofereça este serviço, dentro ou fora da área de residência.

Tenho direito a contracetivos gratuitos?

Sim, dentro da disponibilidade do centro de saúde ou de outra instituição. Nas consultas de planeamento familiar, devem ser distribuídos contracetivos de forma gratuita, como a pílula ou preservativos. Qualquer pessoa, independente da idade, sexo e estado civil, tem direito a aceder ao planeamento familiar.

Preciso de autorização dos meus pais para obter contracetivos?

Não é necessária a autorização dos pais ou encarregado de educação para frequentar as consultas de planeamento familiar, nem para obter contracetivos.

Como evitar as doenças sexualmente transmissíveis?

A única forma de prevenir estas doenças é usar o preservativo feminino ou masculino durante as relações sexuais.

Que devo fazer se tiver sintomas de uma doença sexualmente transmissível?

Em primeiro lugar, deve consultar o médico e iniciar o tratamento. Depois, convém avisar o(s) parceiro(s) e recomendar a consulta médica, mesmo que não haja queixas. Os doentes podem não apresentar sinais e infetar outros.

Qual o prazo-limite para uma interrupção voluntária da gravidez?

 Em Portugal, a lei permite a interrupção voluntária da gravidez por vontade da mulher até às 10 semanas de gestação, calculadas a partir da data da última menstruação, sem que os motivos tenham de ser especificados e independentemente das razões. Até às 16 (dezasseis) semanas de gravidez, em caso de violação ou crime sexual, não sendo necessária uma queixa policial. Até às 24 (vinte e quatro) semanas de gravidez em caso de malformação do feto. Em qualquer momento da gravidez, em caso de risco para a grávida ("perigo de morte ou de grave e irreversível lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da mulher grávida") ou no caso de fetos inviáveis.

O uso do preservativo

O preservativo tem 98% de eficácia. Enquanto não inventam um infalível, o melhor é seguir à risca as regras para uma colocação correta. Lembre-se: o preservativo durante o sexo oral também protege contra doenças sexualmente transmissíveis. Se a ideia o incomoda, experimente os com sabores.

Os centros de saúde fornecem preservativos gratuitamente na consulta de planeamento familiar. O preservativo feminino não está atualmente à venda nas farmácias, mas existe nos centros de saúde ou em algumas associações. Antes de usar, verifique a data de validade e confirme se o invólucro está intacto. 

Manual de instruções

Ao abrir, cuidado com as unhas ou com peças de bijuteria. Não rasgue a embalagem com os dentes.

Coloque-o quando o pénis estiver em ereção, antes de contactar com a área genital do parceiro. Segure com os dedos a ponta do preservativo para expulsar o ar e evitar que rebente. Depois, desenrole o preservativo ao longo do pénis até à base. Se não deslizar, é provável que esteja ao contrário. Nesse caso, use outro: esse já não o protege. Após a ejaculação retire o preservativo com cuidado, dê um nó e deite-o no lixo.

O preservativo feminino tem dois anéis, um em cada extremidade. O anel mais pequeno é introduzido na vagina até à parte mais profunda, como se estivesse a colocar um tampão ou um diafragma. O anel maior fica no exterior da vagina, sobre os grandes lábios da vulva. Durante a penetração, evite a deslocação do preservativo e assegure-se de que o pénis não se posiciona entre o preservativo e a vagina. Para retirar o preservativo, torça o anel exterior com cuidado para não derramar esperma. Dê um nó e deite-o no lixo.

Feminino ou masculino, use um preservativo novo em cada relação sexual. Se esta for muito longa, troque-o ao fim de 30 minutos, porque a fricção pode enfraquecê-lo. Nunca use dois preservativos ao mesmo tempo, nem conjugue um feminino com um masculino. A fricção entre ambos pode enfraquecê-los e rompê-los.

As loções e óleos corporais danificam o látex. Prefira um lubrificante à base de água, especialmente durante o sexo anal. Medicamentos em forma de creme ou supositório para infeções fúngicas também danificam o látex.

Os preservativos com espermicidas são tão eficazes como os outros, mas aumentam o risco de infeções.

No caso do preservativo rebentar, convém ir à consulta de planeamento familiar ou de jovens/adolescentes no centro de saúde.