Dicas

Kit de primeiros socorros e medicamentos nas férias

07 julho 2017
kit de primeiros socorros para as ferias

07 julho 2017
Sabia que não deve usar a pinça para retirar o ferrão da abelha? E que a espuma de barbear pode ajudar a travar as toxinas das alforrecas? Siga as nossas dicas para evitar que os imprevistos estraguem as suas férias.

Já só pensa em mergulhar ou fazer um churrasco ao ar livre? Antes de fechar a mala, se toma medicamentos habitualmente, verifique se os leva e se tem doses superiores ao necessário. Caso fique fora mais dias do que o previsto ou se os medicamentos se estragarem, sempre tem uma reserva. Mas, se precisar comprá-los, há uma forma de poupar na farmácia. Consulte o nosso simulador para comparar o custo dos medicamentos genéricos ou de marca com receita médica

Se vai para fora do país, verifique as regras para levar os medicamentos no avião

Prepare um pequeno kit de primeiros socorros para qualquer eventualidade. Inclua:

  • um analgésico, para combater uma dor repentina;
  • um antissético, para tratar feridas ou cortes acidentais;
  • pensos rápidos;
  • um repelente de mosquitos.

Água e sabão para feridas pequenas

Lave a ferida com água corrente ou soro fisiológico. Limpe à volta com água e sabão, deixe secar e aplique um penso. Se sangrar, proceda da mesma forma após estancar a hemorragia com gaze ou um pano limpo. Os antisséticos não se justificam em pequenas feridas, desde que as lave com água e sabão. Mas em lesões extensas ou sujas, pode aplicar. Opte por um antissético à base de iodopovidona ou clorohexidina. Deixar a ferida secar ao ar para melhor cicatrizar é uma crença errada. O penso propicia um ambiente húmido, favorável à cicatrização. Não retire a crosta, pois protege a ferida e controla a hemorragia. Vá ao médico se não conseguir estancar a hemorragia, a ferida for muito extensa, profunda ou pontiaguda (provocada por pregos, farpas ou uma mordedura) e não tiver a vacina do tétano em dia e se piorar após 3 dias. 

Manteiga e pasta de dentes longe das queimaduras

As queimaduras de primeiro grau afetam a parte superficial da pele, que fica vermelha e seca. Arrefeça a zona com água corrente durante 20 minutos. Não aplique manteiga ou pasta de dentes, pois podem agravar a inflamação. Se tiver, tome um analgésico para eventuais dores. As queimaduras de segundo grau atingem zonas mais profundas da pele, causam dor intensa e podem surgir bolhas. Se a queimadura atingir mais de 15% do corpo, vá ao médico ou chame o 112. Afaste a vítima do calor e arrefeça-lhe a pele durante 20 minutos com água corrente. Retire a roupa e os objetos que causam compressão, sem puxar a pele queimada. 

Picada de abelha: ferrão sai com cartão multibanco

Retire o ferrão, raspando com a unha ou com um cartão multibanco. Nunca aperte a zona, nem use uma pinça, para evitar espalhar o veneno. Lave com água e sabão. Perante dor e inchaço, arrefeça a zona com uma compressa fria ou gelo envolto num pano. Em caso de necessidade, tome um analgésico (paracetamol ou ibuprofeno). Se for alérgico, apresentar dificuldades respiratórias ou a tensão baixar, vá ao médico. 

Gelo na picada de mosquitos

Se causar muita comichão, lave a zona da picada com água fria e sabão. Aplique gelo envolto num pano ou saco, para atenuar eventuais dores e inchaço. Evite coçar para não infetar. Face a uma reação mais severa, use gelo, paracetamol ou ibuprofeno e tome um anti-histamínico. No caso de inchaço intenso, o médico pode prescrever corticosteroides. Não rebente eventuais bolhas, sob pena de infetarem. 

Caravela portuguesa: todo o cuidado é pouco

Se lhe tocar, mesmo já morta, a caravela portuguesa injeta uma substância na pele que produz uma sensação idêntica à queimadura. Os tentáculos ou os restos que permanecem na água ou na areia também provocam o mesmo tipo de lesões. Evite ir à água se houver medusas à beira-mar. Por serem transparentes, são difíceis de ver. Se for picado, não coce nem arranhe a zona afetada. Peça imediatamente ajuda ao nadador salvador. Não use álcool ou vinagre para lavar a área, pois pode piorar. Em vez disso, remova os tentáculos com luvas ou pinça e lave a zona com água doce ou água do mar. Pode tratar como se fosse uma picada de alforreca. Geralmente, a dor dura entre 15 a 20 minutos. Se tiver muitas dores ou a zona ficar infetada, vá ao médico. 

Picada de peixe-aranha: água quente alivia a dor

Procure um posto médico. Para atenuar a dor intensa, mergulhe a zona afetada em água tão quente quanto possível, durante meia hora a 90 minutos. Se a dor persistir, tome paracetamol ou ibuprofeno. O espinho deverá ser removido com uma pinça. Não toque com os dedos. Limpe a ferida com água e sabão, passe por água fresca e deixe secar ao ar. Nunca cubra a zona afetada. Vá ao médico se não conseguir remover o ferrão, se este se encontrar numa articulação ou se a inflamação e a dor se agravarem. Nalguns casos, é necessário antibiótico e a vacina antitetânica, se não estiver em dia. 

Picadas de alforreca: espuma de barbear pode ajudar

Na maioria dos casos, não é grave. Mantenha-se quieto para diminuir o risco de a toxina se espalhar no corpo. Remova eventuais tentáculos, usando uma luva ou uma pinça (não toque com os dedos). Raspe a zona com um cartão multibanco ou pedaço de concha, caso detete uma pequena bolsa com veneno sob a pele. Alivie a dor e a inflamação com gelo envolto num saco ou num pano e analgésicos, se necessário. Não aplique vinagre ou álcool. Estes produtos podem agravar a situação. A espuma de barbear pode ajudar a travar as toxinas. Vá às urgências se sentir dificuldades respiratórias, dores no peito ou se a zona atingida for extensa ou sensível, como o rosto ou os genitais.

Afogamento: não nade contra a corrente

Procure manter a calma, deixe-se levar pela corrente e tente nadar na diagonal, relativamente à costa. Nunca tente nadar contra a corrente. Se possível, gesticule, avisando que precisa de ajuda. Evite as praias sem vigilância. Lembre-se de que apenas nadará em segurança com bandeira verde. Caso veja uma pessoa em apuros, avise o nadador-salvador. Só deve aventurar-se no socorro à vítima se tiver treino para o efeito. Numa praia sem vigilância, ligue para o 112. Poderá fazer insuflações e respiração cardiorrespiratória enquanto aguarda por assistência, se tiver conhecimentos na área. A Cruz Vermelha lançou uma app que ajuda nos primeiros socorros. Está disponível na loja Google Play e na Apple Store.


Imprimir Enviar por e-mail