Notícias

Mais Saúde Já tem consultas mais acessíveis

29 junho 2016
Mais Saúde Já

29 junho 2016

DECO+Saúde e DECO+Saudável, negociadas com a Saúde Prime, são as duas soluções vencedoras da ação por consultas mais acessíveis em áreas deficitárias no Serviço Nacional de Saúde, como saúde oral, nutrição, oftalmologia e psicologia clínica. 

O plano DECO+Saúde está disponível para todos os detentores do cartão DECO+, não tem custo adicional, e permite aceder a consultas das especialidades referidas, na rede da Saúde Prime, com um custo entre 20 e 35 euros. Oferece ainda descontos até 50% em óticas e numa rede de serviços de bem-estar, com Spas e health clubs. Obtenha toda a informação em Mais Saúde Já!

O plano DECO+Saudável é bastante mais amplo: abrange todas as especialidades médicas disponibilizadas pela rede associada à Saúde Prime, que inclui mais de 25 mil prestadores. Os preços das consultas variam entre 30 e 40 euros.

O DECO+Saudável disponibiliza uma linha de apoio, um microsite específico, além do acesso à rede de saúde e serviços de bem-estar. Para usufruir deste plano, os associados da DECO pagarão 5 euros por mês por cada elemento do agregado que queira aderir e os não associados, 6,50 euros. Os agregados a partir de três elementos usufruem de um desconto de 20% sobre a mensalidade. Saiba como aderir em Mais Saúde Já.

O que motiva a nossa ação “Mais saúde já”
Por falta de meios ou devido à inexistência de profissionais em número suficiente e distribuídos por todo o País, os portugueses queixam-se da incapacidade do Serviço Nacional de Saúde em dar resposta à necessidade de cuidados de saúde em diversas áreas, como nutrição, oftalmologia, psicologia clínica e saúde oral. O recurso ao sistema privado, para uma fatia considerável da população, é difícil por incapacidade financeira.

O  Ministério da Saúde, consciente destas dificuldades, anunciou que, até 2018, as áreas referidas estarão mais acessíveis, nomeadamente ao nível dos cuidados de saúde primários. Manteremos o foco nesta promessa. Contudo, para esta meta ainda faltam três anos e há portugueses que já precisam ou vão precisar de cuidados de saúde nestas áreas e que não podem continuar à espera. Com os resultados da nossa negociação pretendemos, se não garantir, pelo menos facilitar o acesso. Nenhum dos planos negociados tem período de carência, ou seja, pode recorrer já aos serviços, não tem limite de idade dos subscritores, nem de utilização.