Notícias

Espera nas urgências: portugueses (des)esperam 53 minutos a mais

02 dezembro 2015

02 dezembro 2015

O nosso simulador revela que os portugueses esperam mais tempo nas urgências do que o recomendado pela triagem de Manchester. Dos 242 utilizadores, 58% passam por esta situação. 

O maior tempo de espera reportado no nosso simulador foi de 740 minutos acima do recomendado, embora a média seja de 53 minutos. Os mais afetados foram, sobretudo, 52% com pulseira amarela (situações urgentes) e 27% com verde (situações pouco urgentes). Em 66% dos casos com pulseira amarela, o tempo foi ultrapassado. 

Através do simulador, 69 % referiram que tinham um motivo suficientemente “grave” para se deslocar às urgências hospitalares. Além disso, 9% dizem ter sido imediatamente reencaminhados para a linha Saúde 24. Só 4% dos utilizadores afirmou que teve uma justificação para essa demora.

Falta investimento na rede de cuidados de saúde primários e uma rede efetiva de cuidados continuados, que apoie as populações nas suas casas, nas suas comunidades, privilegiando a sua recuperação, ou pelo menos, o não agravamento da situação. Através de um levantamento das notificações dos relatórios dos utilizadores, verificámos que esta é uma tendência que não tem sido corrigida, mesmo fora dos picos de utilização do sistema.

Para evitar o caos do ano passado nos hospitais portugueses, as autoridades de saúde estão a preparar um plano para o pico da gripe. Segundo o plano de contingência para temperaturas extremas adversas da Direção-Geral da Saúde, está previsto um aumento de camas disponíveis nos hospitais.