Notícias

Aparelho auditivo desnecessário

21 janeiro 2014

21 janeiro 2014

Maria Mariano comprou uma prótese auditiva de que não necessitava. Com a nossa ajuda, cancelou o contrato e recuperou dinheiro.

Maria Mariano, 83 anos, de Lisboa, julgou ouvir mal. Viu um anúncio televisivo sobre uma promoção de aparelhos auditivos e ligou para o número indicado. Passado pouco tempo, tinha uma técnica da Acústica Médica em casa. Fez-lhe um exame aos ouvidos e disse-lhe que precisava de dois aparelhos, que tinha consigo. A leitora assinou um contrato em que se comprometia a pagar 2800 euros em quatro prestações e ficou com as próteses.

Dado que estas não se seguravam no ouvido, Maria ligou para a empresa. A técnica voltou a casa da leitora, recolheu os aparelhos e fez um molde do ouvido, para fazer novos. Maria não recebeu mais notícias sobre o assunto, pelo que resolveu consultar um otorrinolaringologista. Ficou a saber que não precisava de nenhuma prótese e resolveu contar-nos o sucedido.

Contactámos a Acústica Médica, alegando que a leitora tinha assinado o contrato sem a informação suficiente e que recebera um produto defeituoso. A empresa aceitou os argumentos, cancelou o contrato e devolveu 1400 euros que a leitora já pagara.

Se, como Maria Mariano, suspeita de problemas de audição, o mais sensato é consultar o médico de família ou um especialista em ouvidos, antes de ser visto por um profissional associado a uma loja. Desta forma, terá uma avaliação completa do ouvido e, se for o caso, mais garantias de que o aparelho tem utilidade.