Notícias

Adolescentes europeus têm vida sexual de risco

11 abril 2016
vida sexual adolescentes

11 abril 2016

As doenças sexualmente transmissíveis estão a aumentar entre os adolescentes europeus por falta de uso do preservativo, revela um estudo da Organização Mundial de Saúde.

Início

Os dados do relatório internacional de 2013/2014, sobre saúde e comportamento na escola (Health Behaviour In School-Aged Children) mostram que, em Portugal, 26% dos rapazes e 13% das raparigas, com 15 anos, disseram já ter tido relações sexuais. O risco de doenças sexualmente transmissíveis ou gravidez não desejada está a aumentar entre os jovens europeus por não usarem preservativo ou métodos eficazes de controlo de natalidade.

O acesso a esses meios de proteção é dificultado devido a limitações de caráter religioso ou cultural, relativo à sexualidade do adolescente e do sexo antes do casamento. Os números sugerem que as doenças sexualmente transmissíveis estão a aumentar entre os adolescentes em muitos países e regiões europeias. O relatório regista um aumento de algumas doenças sexualmente transmissíveis em qualquer faixa etária.

Cada jovem deve ter acesso a serviços de saúde sexual, sendo o ambiente escolar fundamental para oferecer educação em saúde, melhorar o estilo de vida e promover a saúde e o bem-estar.

O preservativo é o único método eficaz na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis durante a relação sexual e pode ser facilmente obtido pelos adolescentes. No caso de Portugal, 73% dos rapazes e 75% das raparigas, com 15 anos, reportam terem utilizado preservativo na última relação sexual.

A pílula anticoncecional é uma das formas mais eficientes na prevenção da gravidez e é frequentemente utilizada por adolescentes em alguns países. Por exemplo, em Portugal, 41% dos rapazes e 29% das raparigas, de 15 anos, disseram estar a usar a pílula anticonceptiva na última relação sexual. Reduzir a gravidez na adolescência é uma meta importante na melhoria da saúde do adolescente, diminuindo a mortalidade materna e infantil.

Portugal está entre os 10 países europeus, onde mais se usa o preservativo e a pílula.
O direito ao planeamento familiar é garantido a todos os cidadãos pela Constituição Portuguesa. As consultas são asseguradas pelos Gabinetes de Saúde Juvenil do Instituto Português do Desporto e da Juventude, I.P. (IPDJ), nas consultas de planeamento familiar nos centros de saúde, nas consultas para adolescentes através de diversas associações não-governamentais, pelas juntas de freguesia e/ou câmaras municipais, entre outras.

Imprimir Enviar por e-mail