Dicas

Lista de espera para cirurgia: como funciona

10 março 2015 Arquivado

Arquivado

Conheça os seus direitos e saiba se pode recusar a data proposta. Ajudamos a navegar no sistema de inscritos e respondemos às dúvidas frequentes dos leitores.

Marcar a cirurgia

A lei determina que o Serviço Nacional de Saúde é obrigado a tratar os utentes em tempo útil e estabeleceu tempos máximos garantidos de resposta e níveis de prioridade. Uma cirurgia programada tem de se realizar nestes prazos:

• Prioridade 1 – 270 dias.
• Prioridade 2 – 60 dias.
• Prioridade 3 – 15 dias.
• Prioridade 4 – 3 dias.

Se a cirurgia se dever a um cancro, tem de ocorrer nestes prazos:

• Prioridade 1 – 60 dias.
• Prioridade 2 – 45 dias.
• Prioridade 3 – 15 dias.
• Prioridade 4 – 3 dias.

Nas cirurgias oncológicas até há prazos para comunicar a marcação ao utente:

• Prioridade 1 – 20 dias antes da marcação.
• Prioridade 2 – 10 dias antes da marcação.
• Prioridade 3 – 5 dias antes da marcação.

Na prioridade 4, reservada a casos muito graves que têm de ser resolvidos em 3 dias, não está estabelecido um prazo de antecedência. 

Para garantir que estes tempos são cumpridos no nível de prioridade 1, há controlos intermédios. Por exemplo, um utente de menor prioridade é convocado para reavaliar a sua situação clínica ou para fazer novos exames sempre que passa 70% do tempo máximo estabelecido, ou seja, 42 dias para uma cirurgia oncológica e 189 para uma não oncológica. 

Se está à espera de uma cirurgia, consulte o nosso simulador sobre os tempos de espera na saúde.