Dicas

Problemas nos tendões: dicas para prevenir e tratar

Tipos de tendinopatias

A maioria das lesões deve-se a movimentos repetitivos dos tendões. Conheça os sintomas e os tratamentos.

Cotovelo do tenista

Please fill the source and the alt text  

A epicondilose lateral, ou “cotovelo do tenista”, atinge os tendões extensores do antebraço, que esticam o punho e os dedos. Quando afeta os tendões flexores, usados para dobrar o punho e os dedos a jogar golfe, estamos na presença de epicondilose medial ou “cotovelo do golfista”. O problema também atinge praticantes de bowling e halterofilismo, e ainda carpinteiros.

Deve-se a movimentos repetitivos do punho, antebraço e cotovelo durante, pelo menos, duas horas diárias. Idade entre 45 e 54 anos, obesidade e tabaco aumentam o risco.

A epicondilose lateral causa dor na parte lateral do cotovelo, que pode irradiar para o antebraço e gerar perda de força. Na medial, surge dor na proeminência óssea e no interior do cotovelo, que piora ao fletir o punho, rodar o polegar ou carregar pesos.

O tratamento passa por gelo, repouso, anti-inflamatórios nos primeiros dias, redução da atividade por seis semanas e, em tenistas, uma banda não-elástica.

Tendão de Aquiles

Please fill the source and the alt text

Muitos praticantes de corrida têm dores no tendão que liga os gémeos ao calcanhar. Mas este problema também pode afetar quem corre só de vez em quando ou até quem não faz desporto.

Mudanças bruscas de movimentos ou o aumento da intensidade ou da duração da corrida de modo repentino são as causas mais frequentes. Afeta mais os homens e indivíduos obesos ou mais velhos. Pode ainda atingir quem não usa calçado adequado.

Dor e rigidez em torno do tendão de Aquiles, sobretudo de manhã, é um sinal a considerar. Por vezes, também aparece inchaço atrás do tornozelo ou um nódulo palpável.

Recomenda-se repouso, gelo e anti-inflamatórios para reduzir as dores nos primeiros dias. Natação, ciclismo e ginástica aquática são atividades alternativas para ficar em forma. Já os exercícios excêntricos, que incidem sobre os tendões, aliviam as dores. Se não melhorar em alguns meses, a cirurgia pode ser a solução.

Ombro

Please fill the source and the alt text

Movimentos repetitivos com os braços acima da cabeça podem gerar lesões nos tendões em torno do ombro.

Trata-se de um problema muito conhecido dos praticantes de natação, ténis, golfe e halterofilismo, afeta ainda carpinteiros e pintores, que também fazem movimentos repetitivos com os braços. Algumas doenças crónicas têm sido associadas ao aumento do risco: é o caso de obesidade, diabetes ou colesterol elevado.

A dor localiza-se em regra à frente do ombro, podendo irradiar para o braço. Atividades do dia-a-dia, como vestir uma camisola, podem tornar-se dolorosas. Os pacientes queixam-se de dor à noite, sobretudo quando se deitam sobre o ombro.

Em 70 a 80% dos casos resolve-se com repouso, gelo e anti-inflamatórios para as dores. Algumas manipulações de fisioterapia também revelaram eficácia. Se as dores impedirem a fisioterapia, uma opção é aplicar infiltrações de corticosteroides.

Patelar (joelho)

Please fill the source and the alt text

A tendinopatia do tendão que liga a patela (rótula) à tíbia, também denominada “joelho do saltador”, atinge sobretudo praticantes de caminhadas, corrida ou desportos que envolvam saltos. Indivíduos com músculos das coxas “curtos” ou desequilíbrio de força nas pernas têm risco acrescido.

Os sintomas resumem-se a dores na parte da frente do joelho, durante e/ou após a atividade. Por vezes, são intensas e impedem a prática desportiva satisfatória.

A maioria dos doentes melhora com repouso, anti-inflamatórios e gelo, que deve ser aplicado durante 20 a 30 minutos, quatro a seis vezes por dia. O uso de joelheiras elásticas para praticar desporto ajuda a manter a rótula estável e pode reduzir a dor. Se o doente não melhorar em três a seis meses, pode ser sujeito a cirurgia para extrair parte do tendão lesionado.