Dicas

Soluções para a incontinência urinária

Alterar o estilo de vida

As primeiras medidas deverão apontar para a resolução de situações que favorecem as perdas involuntárias. Por exemplo, se a balança indicar quilos a mais, o primeiro passo é perder peso. O excesso de peso aumenta a pressão intra-abdominal e altera o funcionamento do organismo. Nos obesos, o risco de incontinência é duas vezes maior do que em pessoas sem peso a mais.

Se consome líquidos em abundância, pode moderar: não precisa de exceder os dois litros diários, incluindo alimentos como leite e sopa. Não é aconselhável consumir muito menos, porque o baixo consumo leva à produção de urina muito concentrada, que irrita a bexiga e causa sintomas de hiperatividade desta. Para evitar levantar-se durante a noite, reduza a ingestão antes de se deitar. As bebidas gaseificadas e as que contêm álcool ou cafeína aumentam as micções.

Os exercícios de Kegel são conhecidos por fortalecerem os músculos pélvicos, o que permite controlar melhor o esfíncter. Consistem na contração daqueles músculos durante 8 a 10 segundos, em ciclos de 8 a 12 vezes, por três ocasiões diárias. Se não consegue isolar ou contrair os músculos pélvicos, não desista. Pode, por exemplo, recorrer à ginástica supervisionada por um especialista.

Se sofre de incontinência de urgência, pode apostar no treino da bexiga: mantenha um registo diário do tempo entre micções e tenha como referência o intervalo mais pequeno. Se sentir necessidade de urinar antes, respire fundo, contraia os músculos e tente pensar noutra coisa. A ideia é ir aumentando o intervalo.