Dicas

Recuperar funções após um AVC com terapias

Recuperar funções, como andar, vestir-se ou falar, através de exercícios adaptados, ou treinar mecanismos para compensar capacidades perdidas é o objetivo das terapias de  reabilitação.

  • Dossiê técnico
  • Joana Almeida
  • Texto
  • Fátima Ramos
03 março 2020
  • Dossiê técnico
  • Joana Almeida
  • Texto
  • Fátima Ramos
ilustração sobre AVC

iStock

O acidente vascular cerebral ocorre quando há falha de irrigação sanguínea ou hemorragia numa zona do cérebro. Quando ficam marcas, as mais comuns são os distúrbios da função motora (50 a 80% dos casos), que incluem, por exemplo, fraqueza dos membros de um lado do corpo, problemas de postura e dificuldade em andar. A capacidade de raciocínio, a memória e a linguagem também podem ser afetadas.

A reabilitação, em geral, começa durante o internamento. O primeiro passo pode ser, por exemplo, o doente mudar de posição com frequência enquanto está deitado. Após a alta, os pacientes com AVC ligeiro devem ser encaminhados, de preferência, para tratamentos em ambulatório, no hospital ou num centro de reabilitação, na área de residência, segundo a Direção-Geral da Saúde (norma de 2011). Se tiver mais de 75 anos e sofreu um AVC moderado, ou mais de 55 anos e a situação foi grave, a indicação é de internamento em unidades de cuidados continuados integrados de média duração e reabilitação ou em unidades de convalescença de AVC.

Quando estão em hospitais públicos, os doentes são, geralmente, encaminhados para a rede de cuidados continuados pelos próprios serviços hospitalares. Em caso de dúvidas, contacte os profissionais de saúde que o acompanham ou peça para falar com a equipa de gestão de altas. Se o paciente estiver em casa, num hospital privado ou noutra instituição, o processo terá de seguir via cuidados de saúde primários, através do médico de família, do enfermeiro ou do assistente social.

Todos os pacientes com necessidade de reabilitação têm direito a tratamento na rede, sendo os próprios ou os familiares a elencar, por ordem de preferência, os locais pretendidos. O valor a pagar, calculado pela equipa que encaminha o doente, varia de acordo com os rendimentos do agregado familiar. Nas unidades de média duração, quem não tem direito a nenhuma comparticipação da Segurança Social paga 20,49 euros por dia.

De acordo como o Relatório Anual “Acesso a Cuidados de Saúde nos Estabelecimentos do SNS e Entidades Convencionadas 2018”, para entrar numa unidade de convalescença, o mais comum foi esperar entre 10 dias, nas regiões Norte e Centro, e 28 dias, no Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo; para as unidades de média duração e reabilitação, a espera variou entre 22 dias, no Algarve, e 55 dias, em Lisboa e Vale do Tejo.

Segundo a Administração Regional de Saúde da última região, “não é possível prever o tempo de espera para a alocação de vaga”. Apesar de a lei fixar um período máximo de permanência nas unidades, “existem situações clínicas/sociais que poderão propiciar um tempo de internamento mais prolongado”. Aquela entidade acrescenta ainda que o período de espera “está condicionado pelo género (feminino/masculino) disponível nas Unidades Preferenciais selecionadas pelo utente ou pela família”.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.