Dicas

Febre da carraça: como prevenir

22 agosto 2014

22 agosto 2014

Mais comum nos meses quentes da primavera, verão e início do outono, a febre a carraça é causada pela bactéria Rickettsia connorii, transmitida ao homem pela carraça do cão.

A doença, também designada por febre escaro-nodular, febre botonosa ou febre mediterrânica, atinge sobretudo as crianças com idade entre 1 e 4 anos, que têm contacto mais próximo com os animais e com o solo. O problema pode manifestar-se nos 15 dias seguintes à picada, através de dores de cabeça, nos músculos e nas articulações, fraqueza, vómitos e/ou diarreia. Cerca de três dias após os primeiros sintomas, surgem os sinais característicos da doença: febre (acima de 39ºC), manchas e borbulhas avermelhadas nas pernas, que se generalizam a todo o corpo. Em 30 a 70% dos casos, a carraça deixa uma mancha negra - escara de inoculação - na zona onde picou.

Se apresentar estes sintomas, consulte o médico. Com o tratamento adequado e atempado, a infeção é debelada sem grandes complicações. Os idosos, os diabéticos, os alcoólicos e os insuficientes cardíacos são mais sensíveis a esta bactéria, pelo que a doença pode assumir formas mais graves e ser mais difícil de tratar.

Em Portugal, regista-se uma média de oito casos de doença por cada 100 mil habitantes, por ano. Bragança e Beja, os distritos com maior incidência, apresentam cerca de 57 e 47 casos por 100 mil habitantes.

Prevenção e tratamento
  • A melhor forma de prevenir a infeção é manter as carraças longe da pele, evitando, por exemplo, passar em zonas infestadas.
  • Em passeios e outras atividades no campo, use vestuário claro, para facilitar a identificação dos parasitas antes de alcançarem a pele. 
  • Proteja a maior superfície possível do corpo, usando, por exemplo, camisolas de manga comprida e as calças presas nas botas ou nas meias.
  • Aplique repelente de insetos à base de permetrina a 0,5% na roupa e proteja a pele com produtos que contenham DEET (N,N-dietil-m-toluamida).
  • No regresso do campo, inspecione a roupa, a pele e o couro cabeludo e remova eventuais parasitas.
  • Se estiverem agarrados, use uma pinça (não recorra a azeite, nem ao calor). Limpe a zona e as mãos com álcool ou água e sabão.
  • Inspecione os animais domésticos com frequência e dê-lhes banho com champô protetor, para impedir a fixação de carraças.
  • Caso apresente sintomas de infeção, consulte o médico e informe-o da picada.
  • O tratamento passará pela toma de antibióticos, como a doxiciclina e a tetraciclina, para eliminar a bactéria. Aplicados no início da doença, estes medicamentos permitem reduzir a duração dos sintomas e prevenir complicações.

Imprimir Enviar por e-mail