Dicas

Sinais na pele: vigie alterações

Tirar sinais

Os sinais maiores ou suspeitos podem ser extraídos e analisados em laboratório, para verificar células malignas, e exigem cuidado e vigilância posterior.

Para os superficiais não suspeitos, o laser é atualmente a solução mais utilizada. "A criocirurgia, que queima pelo frio, e a eletrocoagulação ou curetagem, que destrói os tecidos com uma corrente elétrica, são outras técnicas para remover sinais. Estas intervenções fazem-se sob anestesia local, por vezes, no consultório do médico, em poucos minutos.

A remoção de sinais cutâneos pode fazer-se por uma questão estética. É aconselhável para sinais que se encontram em zonas de fricção com a roupa, causando irritação ou comichão. Contudo, não há uma associação entre estes sintomas e uma maior incidência de cancro, segundo um estudo publicado no British Journal of Dermatology.