Como testamos

Papel higiénico: como testamos

28 janeiro 2019
papel higienico

28 janeiro 2019
Além dos testes em laboratório, para verificar a resistência do produto, a capacidade de absorção e as dimensões dos vários modelos, realizámos provas práticas para aferir a perceção dos consumidores sobre a qualidade.

Lançámos o desafio a um grupo de cidadãos, que, nas suas casas, participaram num teste prático e utilizaram os produtos que testámos em laboratório. A lista de ações necessárias foi entregue e explicada a preceito. Basicamente, pedimos que, em primeiro lugar, se atentasse no aspeto visual. E, depois, todo um conjunto de itens a ter em mente na avaliação de cada papel: a agradabilidade ao toque, a suavidade, a capacidade de absorção e a resistência. 

É preciso ainda incluir questões que influenciam a experiência diária, como a facilidade, num rolo ainda intacto, em descolar a primeira folha, começar a utilizar e destacar do picotado as folhas seguintes. E, já depois de gasto todo o rolo, o tubo que suporta o papel é fácil de amassar? 

No laboratório

Uma coisa é a sensibilidade do utilizador, outra é o veredicto dos equipamentos laboratoriais, que não emitem opiniões mais ou menos subjetivas. A capacidade de absorção, a densidade das folhas e a resistência do papel, seco e molhado. A rapidez de desintegração do papel na água é um fator importante. Menos de 10 segundos é o tempo ideal para essa transformação.

Impacto ambiental

Num produto utilizado por milhões e em tanta quantidade, a questão ambiental não poderia ser secundária. Verificamos o tipo de fibra utilizada. Em termos de sustentabilidade, a hierarquia do papel preconiza que a fibra virgem deve ficar reservada para fins mais nobres. Por esse motivo, a fibra reciclada deveria ser a mais usada. A escolha pode não recair sobre a reciclada, mas deveria ter origem em florestas ambientalmente certificadas. As certificações PEFC e FCS, de âmbito europeu, estabelecem critérios para promover uma gestão economicamente viável, ecologicamente adequada e socialmente benéfica, assegurando ao consumidor estar a comprar artigos provenientes de florestas geridas de forma sustentável.

Rótulo

Também avaliámos as indicações constantes na embalagem: quantos metros tem cada um dos rolos? E quantas folhas? Estas são algumas informações básicas mais essenciais para que o consumidor possa comparar preços e fazer a sua escolha.

Preço

Por fim, considerámos o preço de compra, tendo como base de comparação o custo de 10 metros de papel. Na verdade, esta forma de cálculo é uma forma de contornar o problema do custo, pois cada embalagem nem sempre tem o mesmo número de rolos. E os rolos nem sempre têm o mesmo número de metros (ou de serviços).

 

 

Este artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais se for indicada a fonte e contiver uma ligação para esta página. Ver Termos e Condições.