Problemas com Prossegur Alarmes

Prosegur-Companhia de Segurança Unipessoal Lda


Esta reclamação é pública

  • M. R. Para Prosegur-Companhia de Segurança Unipessoal Lda

    Exmos Srs, Fui cliente da Prosegur alarmes desde o ano de 2002. Nunca, durante estes anos houve qualquer incumprimento da minha parte. Este ano, na sequência de obras nas instalações com os serviços contratados à referida empresa, foi desativado o equipamento lá existente a 18 de janeiro. Prevendo-se um período de obras bastante dilatado, a 4 de fevereiro foi solicitado, via email, a suspensão transitória do contrato. A resposta tardou um mês a ser enviada e com um conteúdo lamentável, tendo presente que se tratava de um cliente com uma fidelidade de 17 anos à Prosegur. Nessa sequência, foi decidido proceder à rescisão do contrato, para o que foi enviada a 12 março carta registada com aviso de receção. Recordo que o serviço tinha sido desligado por elementos da Prosegur Alarmes em janeiro. Tendo presente esta cronologia, o último pagamento efetuado foi referente ao período de janeiro a março 2019 (quando na realidade já não se beneficiava do serviço), tendo-se iniciado o litigio quando não se procedeu ao pagamento do período de abril a junho 2019. Já posteriormente foi enviada, a 2 julho, nova carta registada e com aviso de reção, solicitando a recolha dos materiais o que viria a ser efetuado a 8 julho. Ao longo deste período de tempo houve da parte da Prosegur Alarmes uma atitude pouco feliz, consistindo em numerosas mensagens telefónicas solicitando o pagamento do serviço referente ao período de abril a junho, serviço esse que se encontrava desligado desde janeiro. Todos esses pormenores foram igualmente transmitidos à Prosegur Alarme, em telefonemas efetuados pelos mesmos, denunciando uma total falta de coordenação dos diversos sectores da empresa e falta de respeito para com o cliente. O evento culmina com o envio de uma carta por parte de uma sociedade de advogados, em que se diz que serão forçados a acionar processo judicial para cobrança da divida e suspensão dos serviços contratados, ficando as instalações desprotegidas. No mínimo a situação é caricata! O serviço foi desligado pela Prosegur Alarmes em janeiro, o contrato foi rescindido e o material recolhido, mas nenhuma desta informação parece ser do conhecimento dos próprios o que faz pensar na qualidade dos serviços prestados pelos mesmos. Face ao exposto solicita-se o encerramento deste, muito infeliz e lamentável, episódio.

    Detalhes da reclamação

    Exmos Srs, Fui cliente da Prosegur alarmes desde o ano de 2002. Nunca, durante estes anos houve qualquer incumprimento da minha parte. Este ano, na sequência de obras nas instalações com os serviços contratados à referida empresa, foi desativado o equipamento lá existente a 18 de janeiro. Prevendo-se um período de obras bastante dilatado, a 4 de fevereiro foi solicitado, via email, a suspensão transitória do contrato. A resposta tardou um mês a ser enviada e com um conteúdo lamentável, tendo presente que se tratava de um cliente com uma fidelidade de 17 anos à Prosegur. Nessa sequência, foi decidido proceder à rescisão do contrato, para o que foi enviada a 12 março carta registada com aviso de receção. Recordo que o serviço tinha sido desligado por elementos da Prosegur Alarmes em janeiro. Tendo presente esta cronologia, o último pagamento efetuado foi referente ao período de janeiro a março 2019 (quando na realidade já não se beneficiava do serviço), tendo-se iniciado o litigio quando não se procedeu ao pagamento do período de abril a junho 2019. Já posteriormente foi enviada, a 2 julho, nova carta registada e com aviso de reção, solicitando a recolha dos materiais o que viria a ser efetuado a 8 julho. Ao longo deste período de tempo houve da parte da Prosegur Alarmes uma atitude pouco feliz, consistindo em numerosas mensagens telefónicas solicitando o pagamento do serviço referente ao período de abril a junho, serviço esse que se encontrava desligado desde janeiro. Todos esses pormenores foram igualmente transmitidos à Prosegur Alarme, em telefonemas efetuados pelos mesmos, denunciando uma total falta de coordenação dos diversos sectores da empresa e falta de respeito para com o cliente. O evento culmina com o envio de uma carta por parte de uma sociedade de advogados, em que se diz que serão forçados a acionar processo judicial para cobrança da divida e suspensão dos serviços contratados, ficando as instalações desprotegidas. No mínimo a situação é caricata! O serviço foi desligado pela Prosegur Alarmes em janeiro, o contrato foi rescindido e o material recolhido, mas nenhuma desta informação parece ser do conhecimento dos próprios o que faz pensar na qualidade dos serviços prestados pelos mesmos. Face ao exposto solicita-se o encerramento deste, muito infeliz e lamentável, episódio.

    Solução pretendida

    Revisão da fatura

    No mínimo um pedido de desculpas pela forma incorreta como tratam o cliente

    Documentos anexados
    • Documento comprovativo

Precisa de apoio?

Peça ajuda aos nossos juristas

211 215 750

Dias úteis, das 9 às 18 horas