Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela PROTESTE INVESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.
1.º MÊS GRATUITO
Conselhos independentes de investimento
página principal > análises e conselhos

Questão do investidor: investimento passivo

Data da publicação: 06/09/2017

“Qual a vossa opinião sobre investimento passivo em índices? Em Portugal, além dos ETF, é possível adquirir os chamados fundos-índice?”

As estratégias de investimento ativas e passivas possuem ambas vantagens e inconvenientes. Nos últimos anos, o investimento passivo, através de ETF (exchange traded fund - fundos cotados), tem vindo a ganhar muito mais relevância, incluindo em Portugal.

 

Estes produtos, cuja carteira se limita a “copiar” a composição de um índice (de ações, obrigações, futuros), possuem comissões de gestão mais baixas do que os fundos tradicionais e conseguem, muitas vezes, bater a concorrência. Uma vantagem clara, mas há inconvenientes:

 

– A negociação de ETF implica pagar comissões de transação pelo que, com pequenos montantes, torna-se impraticável comprar e gerir uma carteira;

 

– A grande facilidade com que podem ser negociados leva os investidores a tentar usar os ETF para captar movimentos de curto prazo das bolsas, o que tende a penalizar os resultados;

 

– A proliferação de índices retirou a simplicidade aos ETF, tornando a sua escolha mais complexa e menos linear;

 

– Pode haver fundos tradicionais que, apesar dos custos, produzam melhores resultados. Assim, não há motivos para preferir a mesma abordagem em todas as circunstâncias. Para os vários mercados recomendados, a PROTESTE INVESTE aconselha fundos de investimento ou ETF ou ambas as alternativas. Em alguns casos, os fundos eleitos apresentam um indicador de desempenho superior aos ETF, mas há naturalmente exceções. Há também mercados que estão apenas acessíveis através de uma das opções: fundos ou ETF.

 

Mercado é primordial

 

Acima de tudo, não caia no erro de inverter a lógica. Optar por investir num ETF apenas porque tem custos baixos é um erro. A escolha dos ativos (mercados) é mais importante do que a escolha do instrumento (ativo ou passivo). Este último passo deve ser subsequente na decisão de investimento. Por outras palavras, tende a ser preferível deter um fundo medianamente bem gerido de um bom mercado do que um fundo eficiente de um mau mercado.

 

Fundos-índice

 

Se os ETF são o instrumento mais conhecido para o investimento passivo, existem também os fundos-índice. Por exemplo, na nossa seleção encontra os fundos Pictet Index, com políticas passivas, que possuem comissões de gestão mais baixas do que os fundos “normais” e não implicam custos de negociação em bolsa como os ETF. É uma solução intermédia entre um fundo gerido ativamente e um ETF.

 

Mais uma vez, é importante selecionar bem o mercado (com a melhor relação entre potencial de valorização e risco) antes de escolher o instrumento. A questão dos custos é importante, mas não pode ser o fator decisivo na opção por um fundo ou ETF.

 

Para conhecer os ETF disponiveis para investimento, pode consultar o nosso comparador online de fundos.

 

Avaliação a pedido

Analisamos o seu produto financeiro

a minha carteira

Teste as suas estratégias de investimento
Criar  

Conteúdo reservado para subscritores X

Vantagens exclusivas

  • Conselhos isentos
  • Avaliação de produtos financeiros
  • Carteiras de ações e de fundos

"Sigo os conselhos da Proteste Investe e, este ano, estou a ter uma rentabilidade de 5% na minha carteira de investimento."