Notícias
Suíça: inflação em alta Há um ano - sexta-feira, 6 de outubro de 2017
Em setembro, a taxa de inflação helvética atingiu 0,7%, o nível mais elevado desde março de 2011.

Esta evolução dos preços é uma boa notícia pois afasta o país do longo período de deflação que afetou a economia quase sem interrupção entre 2011 e 2016. Para evitar que esse fenómeno se tornasse permanente, o banco central suíço adotou taxas de juros bastante negativas e até estabeleceu um limite cambial para travar a subida do franco suíço em relação ao euro.

 

Agora, o panorama é um pouco diferente. Do lado suíço, a taxa diretora ainda é de -0,75% e os juros da dívida a 10 anos são ligeiramente negativos. Do lado da zona euro, a situação económica melhorou e a perspetiva de uma redução gradual das intervenções do BCE levou as taxas das obrigações a subir ligeiramente. Com um maior diferencial de taxas de juro, o franco suíço está agora menos sobrevalorizado face ao euro e ao dólar.

 

No entanto, perante os rendimentos ainda extremamente baixos oferecidos pelos ativos suíços e a persistente sobrevalorização do franco suíço, o investimento é pouco atrativo e os fundos dedicados à Suíça continuam fora das nossas estratégias. Em termos de ações individuais, recomendamos a compra de apenas uma empresa helvética.

 

Partilhe este artigo