Notícias

Breves: Alcon, BMW, Chevron, Enagas, Repsol, Sanofi

Há um mês - quinta-feira, 18 de abril de 2019
Ações em destaque esta semana
homem a ver cotações no computador

Cotadas das ações online

Alcon 

A Alcon, a divisão oftalmológica da Novartis, acabou de entrar em bolsa. 

Se é acionista da Novartis, recebeu 1 ação da Alcon por cada 5 ações da Novartis detidas.

Sendo agora independente, a Alcon poderá desenvolver sua estratégia de crescimento com mais liberdade do que enquanto era parte da Novartis. Esperamos uma dinâmica mais pró-ativa da direção (inovação, programas de controlo de custos, aquisições) para continuar a recuperação. 

Além disso, o grupo pode contar com tendências favoráveis no setor: aumento e envelhecimento da população mundial, uso de ecrãs prejudiciais aos olhos cada vez mais frequente e prolongado (smartphones, tablets e computadores). 

Finalmente, o grupo está bem posicionado como líder mundial em oftalmologia e atividades complementares (cirurgia e cuidados com a visão). Contudo, face ao valor da ação, o potencial de subida parece-nos limitado. 

Se não é nosso assinante, registe-se para aceder ao nosso conselho, é gratuito.

BMW

A BMW vai registar nas contas uma provisão superior a mil milhões de euros, após as conclusões preliminares de um inquérito em curso da Comissão Europeia. 

Com as suas compatriotas Daimler (comprar) e VW (manter), a BMW terá participado num acordo que teria como objetivo limitar o desenvolvimento e entrada em produção de tecnologias de redução de emissões poluentes.

Esta provisão, que vai entrar nas contas do primeiro trimestre, deve reduzir a margem do negócio automóvel entre 1 a 1,5%, em 2019. Em consequência, a BMW antecipa agora uma margem entre 6 e 8%, tendo este valor sido 7,2% em 2018.

Reduzimos as nossas estimativas de lucro por ação em 2019 para 9 euros, contudo este elemento pontual não coloca em causa as perspetivas a longo prazo do grupo alemão e reafirmamos o nosso conselho (registe-se para o conhecer, gratuito).

Chevron

O grupo Chevron colocou em cima da mesa uma oferta de compra sobre a Anadarko.

A reação do título, devido aos elevados montantes envolvidos, foi negativa. A concretizar-se, esta operação permitirá duplicar a produção de petróleo de xisto.

Tendo em conta as boas perspetivas para este mercado e as potencialidades que esta operação proporciona. Conheça o nosso conselho sobre esta ação (registe-se, para ver o nosso conselho).

Enagas

Há uma nova esperança para uma saída do conflito entre o governo do Peru e a companhia de gás espanhola.

O presidente do Peru comprometeu-se a encontrar uma solução para o diferendo com a Enagas relativamente ao Gasoduto Sur Peruano (GSP). Uma grande infraestrutura, em que a empresa espanhola tem uma participação de 25%, e que está paralisada desde janeiro de 2017. Motivo: os problemas de corrupção na construtora brasileira (que tem 55% do projeto).

A Enagas, que tem outros interesses no Peru (51% na Coga e 29% na TGP) poderia recuperar o valor investido neste gasoduto (cerca de 402 milhões de euros). Saiba se pode comprar, vender ou manter (registe-se, gratuito).

Repsol

A petrolífera espanhola anunciou um acordo com o grupo petrolífero Hellenic Petroleum para a exploração de petróleo e gás ao largo da Grécia. A administração prevê que demore vários anos até começar a extrair petróleo.

Aparte este desenvolvimento, a Repsol comunicou que a produção de hidrocarbonetos recuou 3% face ao mesmo período do ano anterior. Conheça o nosso conselho (registo gratuito).

Sanofi

A Sanofi e a empresa de biotecnologia Alnylam, especializada em doenças raras, colocaram ponto final na sua parceria.

Em janeiro, o laboratório francês já tinha terminado a colaboração com a Regeneron, outra biotech especializada em imuno-oncologia que muito contribuiu para a renovação do pipeline da Sanofi.

Recém-chegado no último verão à liderança da pesquisa da Sanofi, John Reed está a “limpar a casa”.

Outros anúncios vão certamente seguir-se (novas alianças, reorganização da pesquisa interna, aquisições). 

Vamos estar atentos, mas por agora, consulte a sua carteira para ver o nosso conselho (se não é nosso assinante, efetue um registo gratuito para aceder).

 

Partilhe este artigo