Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela PROTESTE INVESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.
1.º MÊS GRATUITO
Conselhos independentes de investimento

Alerta: As ICOs começam a emergir em toda a Internet, saiba o que são

Data da publicação: 02/10/2017

As Initial Coin Offerings (ICOs), que estão ligadas ao investimento em criptomoedas, são um fenómeno que está a ser alvo de inúmeros alertas, desde reguladores dos mercados financeiros a investidores de renome.

Qualquer investimento que apresente valorizações tão altas como o das criptomoedas tem um caratér parcialmente especulativo, sem prejuízo do papel que possam vir a desempenhar no futuro.

 

Há quem defina as ICOs como uma espécie de oferta pública de ações mas, na realidade, está longe de ser semelhante. A descrição mais direta de uma ICO é de que se trata de uma forma simples para uma startup se financiar, evitando toda a burocracia inerente a uma oferta pública inicial de ações (em inglês, IPO).

 

O processo de se conseguir financiamento começa pela publicação de um documento, chamado whitepaper, onde se expõe a ideia de negócio. De seguida, o proponente oferece (ou promete oferecer) aos potenciais investidores um token. Imagine estes tokens como se fossem “fichas” que podem ser trocadas por produtos ou serviços que a empresa irá criar.

 

Mas atenção, os tokens não são uma verdadeira criptomoeda como a Bitcoin, Ether ou a Litecoin, alguns dos exemplos de moeda digital mais conhecidos que servem apenas para transacionar valores.

 

A possibilidade de se criar “fichas” é uma das funcionalidades oferecidas pela Ethereum, uma plataforma descentralizada capaz de executar contratos inteligentes e aplicações descentralizadas usando a tecnologia blockchain que usa a Ether como a sua criptomoeda principal. O protocolo Ethereum é um dos mais utilizados para se criar tokens. Este processo é muito mais simples do que criar uma blockchain do zero, ao ponto de quase qualquer um, com mínimo de conhecimento na matéria, o poder fazer. É aqui que os problemas começam.

 

Os perigos adjacentes

 

Os problemas são de todos os tipos: desde fraudes completas (em que os criadores do token desaparecem com o dinheiro, sem chegar a haver produto), passando por hacking e phishing.

 

Também é preciso ter em conta o simples facto de que os novos negócios podem falhar. Portanto, a maior parte dos investidores que detenham os tokens não vão recuperar o seu investimento. O risco, já de si elevado, de investir em startups é aqui multiplicado, dada a total ausência de garantias.

 

As ICOs foram alvo de alertas de fraude por parte de várias entidades oficiais, como a SEC (EUA) ou a Financial Conduct Authority (Reino Unido), e foram mesmo proibidas na China e Coreia do Sul.

 

Ao investir através da ICO, os investidores estão praticamente a abdicar de todas as garantias que a lei reserva aos instrumentos financeiros habituais. Mesmo que o criador prometa que os tokens funcionarão como ações, legalmente pouco valor existe nessa promessa.

 

Token Inútil de Ethereum

 

O sucesso das primeiras ICOs (entre as quais a própria Ethereum), que recolheram em pouco tempo milhões de dólares de financiamento, foi de tal ordem que atraiu não só empreendedores como especuladores.

 

As ICOs começaram a multiplicar-se por toda a Internet. Muitos investidores acorrem a estas operações na ávida esperança de “entrar cedo” e poder desfazer-se dos seus tokens com um grande lucro – não interessa se a ideia subjacente vai ou não ter sucesso no mercado. Pura Especulação.

 

Esta problemática levou a que se criasse o UET: Useless Ethereum Token, ou em português, Token Inútil de Ethereum. No site www.uetoken.com, o seu criador alerta para o problema, de forma humorística: “Isto é real – e 100% transparente! Está literalmente a dar o seu dinheiro a um desconhecido na Internet, e a receber tokens inúteis em troca.”

 

Lembra-se das “dotcom”?

 

Este fenómeno relembra a febre com as empresas ”dotcom”que surgiram no final do século XX. Muitos se devem recordar das inúmeras empresas online que foram capazes de atrair investimentos de milhões de dólares, não por serem ideias verdadeiramente geniais mas, por estarem apenas na Internet. Agora, a pressa em obter lucro fácil volta a atrair milhões apenas e só por envolverem criptomoedas.

 

Não sendo ainda familiar para o público em geral, o conceito está a espalhar-se depressa, e a PROTESTE INVESTE já recebeu questões sobre propostas de investimento relacionadas com ICOs feitas a cidadãos portugueses – aliás, a audiência para estas propostas é toda a Internet.

 

É possível que existam ideias válidas entre as muitas ICOs desde que se recorra a este mecanismo de boa-fé.

 

Mas os investidores nos tokens correm riscos enormes e tudo indica que, a prazo e na esmagadora maioria dos casos, acabam por se arrepender.

 

O nosso conselho

 

Na PROTESTE INVESTE, não temos dúvidas que a blockchain é um avanço tecnológico tão revolucionário como foi a introdução dos smartphones modernos ou da própria Internet.

 

Temos também poucas dúvidas que uma das principais áreas de aplicação será a área financeira. Enquanto mecanismo que permite registar transações de forma descentralizada (dispensando intermediários) e de forma difícil de falsificar, as suas vantagens são por demais evidentes.

 

É também verosímil que “criptomoedas” (como a Bitcoin), após uma fase de especulação e de descoberta de preços, venham a consolidar-se como um meio de pagamento não oficial da Internet. Saiba quanto vale a bitcoin em euros no nosso conversor online.

Crises económicas, como o colapso da divisa (Venezuela) aumentará a procura por esta forma de transação por parte dos cidadãos. As fortes restrições aos movimentos de capital além da procura por privacidade (que incluirá, infelizmente, fins ilegais como o tráfico de droga ou de armas) são outras vantagens para o utilizador.

 

Contudo, os riscos são demasiado elevados. A começar pela sua efemeridade. Estes tipos de moeda, pelo facto de serem digitais e estarem em constante transformação, rapidamente se tornam obsoletas por alternativas tecnologicamente mais evoluídas ou que tenham outro tipo de vantagem. Apesar de toda a euforia envolta nas criptomoedas, continua a ser um investimento altamente especulativo, pelo menos para já. Por isso, o nosso conselho é claro: mantenha-se afastado!

 

Avaliação a pedido

Analisamos o seu produto financeiro

a minha carteira

Teste as suas estratégias de investimento
Criar  

Conteúdo reservado para subscritores X

Vantagens exclusivas

  • Conselhos isentos
  • Avaliação de produtos financeiros
  • Carteiras de ações e de fundos

"Sigo os conselhos da Proteste Investe e, este ano, estou a ter uma rentabilidade de 5% na minha carteira de investimento."