Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos. A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização. Ao utilizar o nosso website você aceita desta Política e consentimento para o uso de cookies. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações em aqui.

Consumidores ainda podem estar a pagar IMI a mais

17 abr 2019

O valor de construção das casas aumentou a 1 de janeiro, mas isso não significa que os proprietários tenham de pagar mais IMI. A DECO PROTESTE atualizou o seu simulador em paguemenosimi.pt para ajudar os consumidores a calcular e a pagar o imposto justo pela sua casa.

Apesar de o Estado ter subido, a 1 de janeiro, o valor de construção dos imóveis, de 603 para 615 euros por metro quadrado, alguns imóveis continuam a pagar imposto a mais, porque as Finanças não atualizam automaticamente a idade das casas, nem o seu coeficiente de localização, que muda a cada três anos. Todos estes fatores influenciam o cálculo do IMI, mas o Estado limita-se a aumentar o valor das casas de acordo com a inflação.

 

                                 

 

A revisão de todas as parcelas só é feita quando a casa muda de dono (por aquisição ou herança) ou quando o proprietário entrega nas Finanças um pedido de atualização do valor da casa.

 “Há, portanto, proprietários de imóveis que continuam a pagar IMI a mais e só uma simulação personalizada, em www.paguemenosimi.pt, pode confirmar se vale a pena pedir às Finanças a atualização dos dados do imóvel para efeitos de cálculo do imposto”, explica Ernesto Pinto, especialista em fiscalidade da DECO PROTESTE, que avança alguns exemplos:

 

“Nas simulações realizadas pelos consumidores desde o inicio do ano, após a atualização do valor de construção, registámos uma poupança média de 75 euros por ano” salienta ainda Ernesto Pinto.

Caso o simulador em www.paguemenosimi.pt confirme que há poupança, os consumidores terão que pedir nas Finanças a atualização dos dados do imóvel para efeitos de IMI. Preenchendo o modelo 1 do IMI e submetê-lo no Portal das Finanças ou apresentar o pedido pessoalmente no serviço de Finanças. A DECO PROTESTE recomenda que opte pela apresentação pessoal do pedido, já que alguns dados requeridos não são do conhecimento do proprietário e será mais fácil obtê-los na própria repartição.

O pedido é gratuito e deverá ser apresentado antes de 31 de dezembro, para reduzir o imposto a pagar no ano seguinte. A resposta é enviada, por escrito, para o domicílio fiscal do proprietário.

Enquanto alguns contribuintes podem poupar já no IMI do próximo ano, outros poderão ter de esperar um pouco mais, caso a última revisão dos dados do imóvel tenha sido feita pelas Finanças há menos de três anos. O simulador desta organização de consumidores dá a resposta personalizada e disponibiliza um sistema de alerta, que avisa o contribuinte de que já está na altura de repetir a simulação e, porventura, começar a poupar no IMI.

 Por esta altura, os contribuintes começam a receber as notificações para pagamento deste imposto. “A conta do IMI é paga numa única prestação se o valor for inferior a 100 euros. Pode pagar em duas prestações, em maio e novembro, se o valor for entre os 100 e os 500 euros e pode pagar em três prestações, maio, agosto e novembro, se o valor ultrapassar os 500 euros”, relembra ainda Ernesto Pinto.