Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos. A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela DECO PROTESTE. Ao navegar com os cookies ativos consente a sua utilização. Ao utilizar o nosso website você aceita desta Política e consentimento para o uso de cookies. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações em aqui.

Direitos dos Consumidores

Black Friday ou black fraude?

03 dez 2015

Black Friday or Black Scam?


Os fantásticos descontos anunciados pelas grandes cadeias de retalho onde o consumidor pode comprar (quase) tudo pela metade… do dobro do preço. Confuso? Fique a perceber se foi enganado.

Fantastic discounts announced by large retail chains where the consumer can buy (almost) everything in half ... twice the price. Confused? See if  you have been a victim.

A DECO, depois de receber vários relatos de consumidores, denunciando o aumento dos preços em vésperas de épocas de descontos ou saldos, analisou 1862 produtos de algumas lojas, entre 16 e 27 de novembro, dia da célebre Black Friday.

A conclusão é óbvia: antes da Black Friday, as lojas aumentaram o preço de cerca de 10% dos produtos analisados.

Esta manipulação de preços não se encontra generalizada, mas um em cada 20 produtos com descontos anunciados na Black Friday viola a Lei dos Saldos e das Promoções e a Lei das Práticas Comerciais Desleais – o consumidor acredita que está a comprar com um desconto real, quando, na verdade, não está. 

A título de exemplo, apresentamos três dos casos mais flagrantes, detetados na Worten e na Rádio Popular.

Na Worten, o preço do televisor LG 55UF770V aumentou mais de 60% na véspera da Black Friday. Somados os aumentos e subtraídos os descontos, entre os dias 25 e 27, o televisor aumentou 340,20 euros.

Ainda na Worten, destacamos a variação de preço do smartphone Samsung Galaxy S4 i9595 4G (de 16 GB) – aumentou 100 euros no dia 24 de novembro; na Black Friday, três dias depois, o desconto foi de, apenas, 80,98 euros. É fácil concluir que o consumidor teria poupado dinheiro se tivesse comprado o produto antes de dia 24, em vez de esperar pela Black Friday.

Na Rádio Popular, o preço do televisor LG 32LF5610 aumentou 80 euros no dia 18 de novembro. Na Black Friday, o desconto foi de 40 euros. Ou seja, os consumidores podiam ter adquirido o televisor por um preço inferior 10 dias antes.

De acordo com dados da SIBS, apresentados a 2 de dezembro, acreditamos que os cerca de 700 milhões de euros gastos pelos portugueses na semana da Black Friday podem ter sido motivados pela perceção de uma falsa vantagem económica – desconto – decorrente da manipulação dos preços praticada por estas empresas.

A DECO denunciou o caso à ASAE e à Direção-Geral do Consumidor, solicitando-lhes que sancionem as empresas em causa. As coimas podem chegar aos 45 mil euros por cada caso denunciado.

Na informação que enviámos ao Ministério da Economia sobre o nosso estudo, reforçámos a necessidade da divulgação do preço mínimo praticado nos 30 dias anteriores ao desconto e/ou promoção anunciado e, no online, a apresentação gráfica da variação dos preços praticados nos últimos 30 dias.

Por fim, aconselhamos os consumidores, antes da compra de um produto que implique um investimento mais avultado, a proceder a uma consulta ampla de preços, recorrendo, por exemplo, aos nossos comparadores para diminuírem decisivamente a possibilidade de ser enganados.

DECO, after receiving several reports of consumers, denouncing the rise in prices before times of discounts or balances, analyzed 1862 products from some stores, between 16 and November 27, day of the famous Black Friday.

The conclusion is obvious: before Black Friday, the stores have increased the price of about 10% of products analyzed.

This price manipulation is not widespread, but one in 20 products with discounts advertised on Black Friday violates the law of Balances and Promotions and the Law of Unfair Commercial Practices - consumers believe they are buying with a real discount when actually it is not.

For example, we present three of the most egregious cases, detected in Worten and Radio Popular.


In Worten, the price of TV LG 55UF770V increased by over 60% on the eve of Black Friday. Increases added and subtracted discounts, between 25 and 27, the TV increased 340.20 euros.


Also in Worten, we highlight the price change of the smartphone Samsung Galaxy S4 i9595 4G ​​(16GB) - increased by 100 euros on 24 November; on Black Friday, three days later, the discount was, only 80.98 euros. It is easy to conclude that the consumer would have saved money if you had bought the product before the 24th, instead of waiting for Black Friday.


In Rádio Popular, the price of TV LG 32LF5610 increased 80 euros on 18 November. On Black Friday, the discount was 40 euros. In other words, consumers could have bought the TV for a lower price 10 days before.


According to information from SIBS, presented on December 2, we believe that the 700 million euros spent by the Portuguese in the week of Black Friday may have been motivated by the perception of a false economic advantage - discount - from the handling of the practiced prices by these companies.


DECO reported the case to ASAE and Consumer General Direction, asking them to sanction the companies concerned. The fines can reach 45,000 euros for each case reported.


The information that we sent to the Ministry of Economy about our study reinforced the need for the minimum price disclosure practiced in the 30 days prior to the discount and / or announced promotion and in online, the graphic presentation of price variation practiced in the last 30 days .


Finally, we advise consumers before buying a product that involves higher levels of investment, to conduct a broad consultation of prices, using, for example, our comparators to decisively decrease the possibility of being deceived.