Notícias

Promoções e vales de desconto: consumidores trocam marcas pelo melhor preço

19 janeiro 2016
descontos no supermercado

19 janeiro 2016

O novo consumidor mostra-se mais independente das marcas e compra ao melhor preço. A crise e o consequente menor poder de compra leva muitas famílias a repensar os seus modelos de consumo. Promoções e vales de desconto são usados, mas sem antes avaliar os melhores preços.

A alimentação representa cerca de 20% das despesas das famílias. A redução do poder de compra obriga muitos consumidores a alterar os seus hábitos: compram menores quantidades, de acordo com as necessidades, e estão mais atentos às promoções dos supermercados. Mais racionais, descomprometidos com marcas, procuram estar mais informados e interessa-lhes sobretudo comprar ao melhor preço. É uma atitude mais comparativa e preocupada em evitar o desperdício. “Leve uma lista de compras consigo” e “faça as suas compras comparando o preço” são conselhos clássicos levados agora à letra.

Supermercados e marcas, na luta para ganhar compradores, publicitam promoções, vales e cupões de desconto, inundando os consumidores com constantes alertas. A par dos spots televisivos, folhetos nas caixas de correio e mensagens de telemóvel, também as redes sociais são líderes a divulgar esta informação.

Net: uma montra de promoções
A Internet abriu um leque de opções para visualizar produtos, comparar preços e difundir as melhores promoções. Mesmo antes de chegar ao supermercado, o consumidor pode já estar informado sobre os possíveis descontos. Só no Facebook, há mais de 20 páginas sobre alertas de promoções, descontos e vales. Os supermercados proporcionam essa informação através das suas páginas e aplicações nos smartphones. A tendência mais recente, herdada em parte do mercado americano, leva algumas marcas a possibilitarem a impressão de cupões de desconto diretamente dos seus sítios online. O registo é fácil e permite descontos adicionais. Algumas marcas enviam os cupões por e-mail. Muitas são as pessoas que reúnem os vários descontos e só depois vão às compras.  

 

Promoções

O Facebook é um veículo preferencial para pesquisar promoções.
O Facebook é um veículo preferencial para pesquisar promoções.

Vales de desconto

Através dos sítios na Internet ou via e-mail são muitas as marcas que disponibilizam vales de desconto para imprimir.
Através dos sítios na Internet ou via e-mail são muitas as marcas que disponibilizam vales de desconto para imprimir.

Desconto: antes e depois
Juntar vários cupões de descontos não basta: há que comparar preços e questionar se realmente precisa do produto. Quando for ao supermercado, leve os vales e compare os preços antes e depois do desconto. Se o produto tiver embalagens com mais de uma capacidade, a mais pequena, mesmo com desconto, pode não compensar face à maior. Há também marcas alternativas a melhor preço, daí a utilidade da comparação, com uma calculadora à mão. Mais: se tiver tempo, confronte, noutro supermercado, o preço do produto antes do desconto, para confirmar que está mesmo a fazer a melhor compra.

Os cupões de desconto, associados a um montante mínimo de compras, implicam uma boa gestão das necessidades. O objetivo principal destas estratégias é atrair o cliente e levá-lo a visitar mais vezes a loja e a comprar mais do que o necessário. Não se deixe atrair pelo desconto: repetido sem controlo, pode tornar-se desvantajoso.

A par das promoções e vales de desconto, existem também as promoções associadas ao tamanho das embalagens. Comprar formatos maiores, nestes casos, desde que respeitando os prazos de validade indicados, proporciona poupanças significativas. Se a família for grande, pode compensar. Gasta mais, mas poupa nas idas ao supermercado, dado o produto durar mais tempo. “Leve três, pague dois”, muito frequentes nos iogurtes, embalagens maiores do tipo “formato poupança e económico”, sobretudo em produtos de mercearia seca e conservas, são as promoções com maiores ganhos para o consumidor: quase 30% a menos, por quilo ou litro. Os garrafões de água e azeite também são exemplo disso, permitindo entre 12 e 23% de poupança.

Laticínios e mercearia, segundo estudos recentes, são as categorias com maior quebra de consumo, apesar de ser nelas que os fabricantes mais têm apostado com novos formatos e promoções.