Notícias

Preços nos supermercados: Jumbo volta a ganhar

Centro: até € 590 de poupança anual

O Jumbo não descola do primeiro lugar. Pelo terceiro estudo consecutivo, revela o nível de preços mais baixo em todo o País, sobretudo graças a uma aposta nas regiões do Litoral. No Interior e nas zonas menos populosas, o Continente e o Continente Modelo marcam a sua superioridade.

  • Dossiê técnico
  • António Souto
  • Texto
  • Inês Lourinho
26 junho 2018
  • Dossiê técnico
  • António Souto
  • Texto
  • Inês Lourinho
supermercados

iStock

106 536 preços, 243 produtos, 591 lojas, 70 concelhos do nosso Portugal: de números se faz o estudo. Para seguirmos de perto as tendências de consumo dos portugueses, estabelecemos uma segunda triagem e chegámos a um cabaz de 142 produtos de marca de fabricante, mas também de marca própria das lojas visitadas. É que os consumidores procuram-nos cada vez mais, na mira de uma interessante relação entre a qualidade e o preço. Frescos, congelados, mercearia e produtos de higiene pessoal e do lar: tudo cabe no nosso carrinho. Fizemos os cálculos para dois perfis de consumo. De um lado, quem gasta € 150 por mês. De outro, quem vai até aos 400 euros. 

Distrito de Santarém com maior variação de preços 

Na região Centro, o valor máximo de poupança cabe a Santarém, distrito onde as famílias com o perfil de consumo mais elevado podem desperdiçar quase € 590 por ano se não escolherem a loja certa. O Meu Super da Rua Pedro de Santarém é muito cómodo para quem vive perto do centro da cidade, mas pratica um nível de preços 28% mais elevado do que a loja mais em conta do distrito. Este Meu Super acaba por ser sobretudo uma loja interessante para compras de pequena monta. Agora, se sair da zona de conforto e rodar 45 quilómetros até Torres Novas, encontra os melhores preços no Continente da Rua da Tonova, nos arredores da cidade, já a caminho de Riachos. Para grandes volumes de compras, a viagem pode compensar. É fazer contas.

Santarém segue a tendência do Interior Centro. Em Castelo Branco, Guarda, Portalegre e Viseu, onde não existe tanta concorrência e os preços podem atingir valores mais elevados, destacam-se o Continente ou o Continente Modelo como as alternativas mais em conta. Nas mais populosas regiões do Litoral, o Jumbo aposta forte e obtém o maior número de índices 100, os quais refletem um nível de preços mais baixo. O distrito de Leiria é a exceção que confirma a regra: as poupanças mais significativas estão no Pão de Açúcar das Caldas da Rainha, marca do mesmo grupo Auchan.

Os mais baratos em todo o País 

Analisando agora os preços ao nível nacional, o Jumbo ganha em toda a linha. Não só mantém a fasquia 100 nacional, como continua a ser o mais vantajoso, por um lado, nos produtos de mercearia e drogaria e, por outro, nos frescos. E mantém-se na liderança nas compras através da internet: o mesmo cabaz de produtos tem um preço muito semelhante ao exigido nas lojas físicas mais baratas desta cadeia.

Atrás do Jumbo, posicionam-se as cadeias Continente Continente Modelo. Os preços são, em média, 2% mais caros, mas a presença territorial é muito forte em todo o País, incluindo em regiões com menos população, como o Interior, os Açores e a Madeira.

Pingo Doce, também muito disseminado pelo País, fecha o pódio, com um patamar de preços 6% acima do praticado pelo líder.

As cadeias mais caras do nosso ranking são o Intermarché, o Minipreço e o Lidl, nos dois últimos casos, muito por culpa dos frescos. Por vezes, carne e peixe são da responsabilidade de agentes externos à marca e têm preços mais elevados. Mas, nos produtos de mercearia e drogaria, melhoram bastante os resultados: o Lidl obtém inclusive uma posição ligeiramente superior à do Pingo Doce.

Mas, mesmo que o Jumbo seja a cadeia mais barata em Portugal, de nada lhe servirá se estiver ausente da sua região ou se houver opções mais favoráveis por essas bandas. Por isso, personalize o seu cabaz com a ajuda do nosso simulador.

 

supermercados