Notícias

Portugueses receiam infeção por covid-19 nos transportes públicos

O coronavírus condiciona a mobilidade e o acesso ao espaço público. Quatro em cinco inquiridos receiam transportes públicos e eventos em recintos fechados. Quatro em dez têm medo inclusive de um simples passeio no jardim.

  • Dossiê técnico
  • Alexandre Marvão e Bruno Carvalho
  • Texto
  • Inês Lourinho
15 dezembro 2020
  • Dossiê técnico
  • Alexandre Marvão e Bruno Carvalho
  • Texto
  • Inês Lourinho
Mulher jovem, com máscara cirúrgica, sentada no autocarro, junto à janela

iStock

Os boletins diários sobre a pandemia, as manchetes dos média, a desinformação na internet propagada por incontáveis tribos de profetas pela verdade, as diretrizes das autoridades e, em cima de tudo, a doença, o desemprego e a falta do contacto social têm construído, desde o início da pandemia, um contexto de medo a que é difícil escapar.

Os resultados do nosso inquérito à mobilidade em tempos de pandemia não oferecem, por isso, grande surpresa. E são transversais aos países em que foi conduzido, sob os auspícios da Organização Europeia de Consumidores e do International Consumer Research and Testing: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslovénia, Espanha, Holanda, Itália, Lituânia, República Checa e Portugal. Os 11 273 inquiridos, dos quais 1014 portugueses, têm uma forte perceção de risco de infeção nos transportes públicos, seja em viagens de pequena ou de longa distância. Ainda assim, portugueses e italianos são os mais receosos: 80% temem usá-los. O inquérito foi enviado em finais de outubro e abrangeu a população dos 18 aos 74 anos. As respostas recolhidas refletem as opiniões e as experiências dos inquiridos.

Tem receio de usar as seguintes formas de mobilidade?

mobilidade covid-19

Teletrabalho pode não ter grande futuro

A pandemia trouxe notórias alterações ao modo de funcionamento da sociedade. Para evitar aglomerações, sobretudo nos transportes públicos, o teletrabalho impôs-se sem pedir licença. Antes do advento da covid-19, cerca de três em quatro empresas ou empregadores não permitiam prestação dos deveres profissionais à distância. Com o confinamento, apenas uma em quatro não considerou tal possibilidade. Mas, se, antes de o coronavírus nos ter sitiado em casa, as entidades patronais dos inquiridos portugueses pareciam menos adeptas do teletrabalho do que as dos outros dez países do estudo, na quarentena, tiveram das adesões mais elevadas.

Quando a Europa começou a ensaiar um desconfinamento, o teletrabalho sofreu uma quebra discreta, que se intensificou em outubro, altura em que recolhemos os dados do inquérito. Tudo sugere, porém, que, no pós-pandemia, este formato não venha a ser o Santo Graal que muitos vaticinavam. Segundo os inquiridos portugueses, as suas empresas estão dispostas a continuar com o teletrabalho, mas o incremento é algo modesto, nem chegando a 10 por cento. E, quando desagregamos os resultados por nível educacional, indicador de um emprego mais ou menos qualificado, vemos que as perspetivas de a empresa permitir o teletrabalho quando a pandemia se extinguir são exatamente iguais: 38% dizem que o cenário será possível.

Alguns portugueses gostariam de mudar de região

Aos que têm a possibilidade de teletrabalho no longo prazo, abrem-se janelas de oportunidade no que se refere à organização das suas vidas. Uma percentagem apreciável gostaria de mudar de ares e habitar noutra zona do País, fosse a título permanente (13%), fosse de forma temporária ou alternada (26 por cento). São sobretudo os que vivem na região de Lisboa e Vale do Tejo a contemplar este plano, que pode aliviar a pressão sobre os grandes centros urbanos, tanto em termos de transportes, quanto no plano da habitação. E, ao analisarmos por idades, os mais novos, na faixa dos 18 aos 34 anos, e os mais seniores, dos 50 aos 74 anos, são os mais suscetíveis à ideia. Mas casos há – 22% dos inquiridos – em que a natureza do trabalho que desempenham não lhes permite pensar em cenários idílicos.

Se, no pós-pandemia, a sua empresa permitir o teletrabalho, considera mudar de região?

mobilidade covid-19

Medo do coronavírus condiciona mobilidade

Não podemos viver com o outro, nem sem o outro. Parece ser este o lema dos nossos dias. Se temos saudades dos contactos presenciais, também os tememos, e muito. O medo da infeção passou a condicionar o tipo de meios de transporte usados por 66% dos inquiridos, assim como a periodicidade das deslocações de 82% e os lugares frequentados por 87 por cento.

Todas as formas de mobilidade diminuíram em uso, exceto os transportes próprios, como mota, bicicleta, trotinete e carro. Nota-se uma quebra de 10% nas caminhadas, entre outubro e o período anterior à pandemia. A desaceleração no uso dos transportes públicos por quem o fazia com frequência semanal é idêntica, na ordem dos 11%, e faz-se sentir sobretudo entre os jovens da região de Lisboa e Vale do Tejo até aos 35 anos. São especialmente os que reportam um nível de estudos médio ou elevado e que vivem em zonas suburbanas ou rurais quem demonstra um temor mais acentuado. Em contrapartida, 19% dos inquiridos que usavam os transportes públicos semanalmente antes da pandemia afirmam que intensificaram o recurso ao carro próprio. A seguir esta opção, destacam-se os jovens até aos 30 anos e com nível educacional mais elevado.

Hábitos de mobilidade semanais

mobilidade covid-19

Inquiridos receiam frequentar espaço público

Se os transportes públicos correspondem a um contexto central quanto à perceção de risco - e não falamos de perigo efetivo, que não medimos, mas daquilo que os cidadãos sentem -, outros espaços são associados a uma elevada probabilidade de infeção. Eventos em recintos fechados são receados por 79% dos participantes no estudo, enquanto bares e ginásios inspiram temor a 73 por cento. Já eventos ao ar livre, restaurantes, centros comerciais e hostels e guest houses são receados por cerca de metade. Nem mesmo os jardins públicos, onde seria possível respirar fundo face às preocupações com a covid-19, escapam aos receios de quatro em dez inquiridos.

E depois da pandemia? O inquérito sugere que os receios podem levar tempo a esvair-se. Uma parte dos inquiridos revela que irá deixar de usar transportes públicos, frequentar restaurantes ou fazer viagens turísticas, em Portugal ou no estrangeiro.

Tem receio de frequentar os espaços públicos?

mobilidade covid-19

Restaurar a confiança nos transportes públicos no pós-pandemia

Os transportes são dos setores que mais contribuem para a poluição do ar. A pandemia trouxe um recurso acrescido ao carro, decisão compreensível, mas que, além de agravar este quadro, implica mais tempo e complicações para chegar ao destino, e são os próprios inquiridos a reconhecê-lo. Depois do advento do coronavírus, há que restaurar a confiança nos transportes públicos e nas formas de mobilidade mais “limpas”.

Reduzir as emissões de poluentes

Uma significativa proporção de inquiridos diz que nunca usou, nem vai usar quando a pandemia terminar, transportes públicos: são ao todo 29 por cento. Se a estes juntarmos os 4% que afirmam que nunca mais o irão fazer e os 13% que assumem que irão reduzir a frequência, depressa concluímos que 46%, quase metade, demonstram desinteresse por esta forma de mobilidade, crucial para a gestão dos grandes centros urbanos. Mas não só. Utilizar os transportes públicos, e não o carro, reduz as emissões de dióxido de carbono para metade.

Carro com conta peso e medida

O automóvel próprio está a ter um uso aumentado, mas este não é o cenário ideal no pós-pandemia. Se puder substituí-lo pelos transportes públicos nas viagens longas, por exemplo, pelo comboio ou pelo autocarro, faça-o. Não sendo possível prescindir do carro, pondere, se for viável, planear a deslocação com companheiros de viagem. Atualmente, a partilha de carro é encarada com desconfiança, mas o futuro poderá, e deverá, ser diferente.

Alternativas ao automóvel na cidade

Em percursos curtos, justifica-se ainda menos o uso do sacrossanto automóvel. Estes veículos poluem mais quando o motor está frio. Logo, evite usá-los para percorrer poucos quilómetros. Se não quiser usufruir da rede de transportes públicos, caminhar é a primeira opção. Mas há outras, e saudáveis, como a bicicleta ou até a trotinete. O nosso site Mais Mobilidade diz-lhe como comprá-las com desconto.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.