Notícias

Consumo consciente: portugueses fiéis, mas ainda pouco praticantes

Início

Os jovens destacam-se pela negativa quanto a comportamentos pró-ambientais e de poupança. A conclusão é do estudo do Observatório do Consumo Consciente, apresentado na Universidade Lusófona.

03 abril 2018
consumo consciente

4 See/Enric Vives-Rubio

A DECO foi parceira e co-organizadora da conferência do Observatório do Consumo Consciente, que avalia perspetivas e comportamentos de consumo sustentável e consciente entre os cidadãos. O Observatório apresentou recentemente um estudo sobre o consumo consciente, com coordenação de Ana Loureiro, da Universidade Lusófona, de Carlos Rosa, da Universidade Europeia e José Rousseau, do Fórum Consumo.

consumo consciente

Ana Loureiro apresentou o estudo na Universidade Lusófona.
 

Dos cinco escalões etários analisados no estudo, o dos mais jovens é o que revela piores indicadores quanto a comportamentos pró-ambiente. O resultado, ainda assim, é “razoável” de acordo com a escala estabelecida no estudo para avaliar os vários tipos de comportamento de consumo. Quanto à poupança, mesmo sendo considerado “bom”, é também o comportamento da faixa etária dos 15 aos 24 anos de idade que se destaca pela negativa.

De um modo geral, o índice nacional do consumo consciente é positivo, de acordo com os dados do estudo, como sublinhou Ana Loureiro, da Universidade Lusófona, que realizou a investigação com Carlos Rosa, da Universidade Europeia. Num âmbito mais local, porém, Lisboa apresenta o pior resultado em matéria de comportamentos de poupança, enquanto o Centro Litoral se destacou com o melhor resultado.

Ainda há algum caminho a percorrer, consideraram os participantes do debate que se seguiu à apresentação dos resultados do estudo. Do painel constou Jorge Cancela, diretor da DECO, que referiu ser importante fazer a pedagogia do preço junto dos consumidores, e mostrar-lhes que compensa pagar um pouco mais por artigos, bens ou serviços sustentáveis.

consumo consciente

Jorge Cancela, da DECO, defendeu que é importante mostrar que pode compensar pagar um pouco mais por produtos sustentáveis.