Notícias

Consumidores como nós: entrevista a Ana Bacalhau

Ana Bacalhau sente falta de um estudo que explique porque muitas pessoas ainda se "inibem de pedir o livro de reclamações". Na primeira pessoa, revela-nos o seu pior pesadelo de consumo.

31 janeiro 2018
Consumidores como nós: entrevista a Ana Bacalhau

4See/David Martins

A presunção de que o consumidor tem sempre razão é um "bom ponto de partida para relações cordiais" com os prestadores de serviços, segundo Ana Bacalhau. A cantora é a terceira entrevistada da rubrica "Consumidores como nós" e conta-nos, no vídeo, as suas experiências enquanto consumidora.

 

Qual prefere: o livro de reclamações ou o livro de elogios?

Prefiro sempre o livro de elogios. Uma das coisas que sinto que ainda temos de trabalhar e fomentar é a cultura do elogio no mundo profissional em Portugal. Quem faz bem deve ver o seu esforço recompensado de todas as formas: materiais e morais. No entanto, quando se faz mal, também se deve apontar o que está errado de forma objetiva, sem humilhação, mas com rigor.

Já ameaçou alguém que iria fazer queixa à DECO? Qual foi o resultado?

Que eu me lembre, nunca o fiz.

Qual o seu pior pesadelo de consumo?

Acho que o pior que pode acontecer numa situação de consumo são três pontos: mau serviço, mau atendimento e má resolução de problemas, tudo combinado num desastre de consumo de proporções gargantuescas. Se o problema foi criado, não me atenderam bem e não me resolveram bem o problema, não tenho outra hipótese se não recorrer a alguém que possa legalmente aconselhar sobre como resolver a situação.

 

"Mau serviço, mau atendimento e má resolução de problemas" são a fórmula para um "desastre de consumo gargantuesco", segundo Ana Bacalhau.

 

Já recorreu a algum serviço da DECO? Se não, em que situações poderia recorrer?

Não, mas se tivesse tido algum problema que não conseguisse resolver de forma alguma, provavelmente recorreria ao serviço de apoio ao consumidor, para ter a certeza dos meus direitos e deveres. Mantenho-me informada sobre o que está a acontecer precisamente para, se houver algum episódio infeliz, saber onde posso ir mitigar as minhas dúvidas.


A cantora prefere o livro de elogios, pois defende que "quem faz bem deve ver o seu esforço recompensado de todas as formas: materiais e morais".
 

Qual é o estudo da DECO que falta fazer?

Um estudo que analise porque muitos de nós se inibem de pedir o livro de reclamações, mesmo tendo a lei e a razão do nosso lado. Porque não nos queixamos de uma forma objetiva e rigorosa? Talvez tenha a ver com alguma falta de informação sobre os nossos direitos e deveres. E outro estudo sobre quais os direitos do contribuinte face a más-práticas dos serviços públicos portugueses, como as Finanças ou a Segurança Social. Que armas temos e como podemos recorrer a elas.

O consumidor tem sempre razão?

Penso que esta presunção seja um bom ponto de partida para o estabelecimento de relações cordiais entre consumidor e prestador de serviços. Por vezes, sinto que ainda há a cultura instituída nalgumas empresas e serviços de que o consumidor é culpado, até que se prove a sua inocência.


"Porque muitos consumidores se inibem de pedir o livro de reclamações?" Este é um dos estudos que Ana Bacalhau gostaria de ver realizado.

 

Ana Bacalhau é vocalista do grupo Deolinda. Recentemente lançou a sua carreira a solo, com o álbum "Nome próprio".


Imprimir Enviar por e-mail