Notícias

Black friday: aumento dos preços e da inflação provoca redução dos gastos

O inquérito da DECO PROTESTE a cerca de 2000 portugueses revela que sete em cada dez planeiam fazer compras no período da black friday e gastar, em média, 259 euros. O aumento dos preços e da inflação é o principal motivo pelo qual um em cada três tenciona gastar menos.

23 novembro 2022 Exclusivo
Senhora de costas com sacos de papel da black Friday

iStock

O período oficial da black friday convoca muitos consumidores às lojas físicas e online, aliciados pela promessa de grandes promoções. Nalguns casos, haverá vantagem na aquisição. Noutros, nem por isso. A altura exige atenção redobrada, quer na qualidade dos produtos, quer no respetivo preço.

Garanta boas compras na Black Friday

Black friday mais escura devido à inflação

Cerca de um terço dos portugueses que planeia fazer compras na black friday deste ano (34%) antecipa gastar menos dinheiro. O principal motivo apontado por 76% dos casos é a subida dos preços e da inflação.

Apesar das dificuldades sentidas nas carteiras dos consumidores, 70% dos inquiridos contam fazer compras durante a black friday. No ano passado, só 58% acabaram por fazê-lo.

Este ano, os consumidores planeiam gastar, em média, 259 euros, menos 38 euros do que no ano passado. Ainda assim, mais de metade (59%) pensa abrir os cordões à bolsa e gastar entre 100 e 500 euros nas oportunidades que as superfícies comerciais oferecem nesta altura do ano.

Vestuário lidera a lista de desejos

Esbatam-se os rumores de que os produtos adquiridos nesta altura são apenas compras impulsivas. A esmagadora maioria dos portugueses (94%) que contam aproveitar a “sexta-feira negra” diz saber o que vai adquirir, o que comprova que os portugueses estão a conseguir programar com mais antecedência as compras na black friday. Grande parte dos inquiridos (74%) recolhe previamente a informação sobre os produtos ao visitar as lojas físicas ou online que vendem os produtos que tencionam adquirir.

Mais de metade dos inquiridos que vão aproveitar a black friday (60%) vão fazer compras de vestuário. A lista de desejos segue a tendência do ano passado. Além do vestuário, os portugueses antecipam a compra de aparelhos de alta tecnologia (40%), pequenos eletrodomésticos (28%), brinquedos ou jogos (27%), entre outros.

As lojas online estão cada vez mais populares, tanto que, dos portugueses que contam gastar dinheiro nesta época de descontos, 38% planeia comprar apenas em lojas online e 32% pensa fazê-lo quer em lojas online, quer em lojas físicas. A intenção de visitar apenas lojas físicas é mais expressiva entre os inquiridos a partir dos 55 anos.

Descontos agradam aos portugueses

Dois terços dos portugueses consideram que vale a pena fazer compras na black friday porque se consegue bons descontos. No entanto, embora seja possível encontrar ofertas sedutoras durante este período, a DECO PROTESTE lembra que é preciso estar atento e detetar as estratégias para induzir a compra

Cerca de 80% dos inquiridos acredita que as lojas aumentam os preços antes de a época promocional ter início e baixa-os depois para dar uma falsa sensação de desconto. Além disso, quase metade dos portugueses critica a falta de fiscalização das autoridades sobre eventuais práticas abusivas durante a black friday.

Mas as falhas apontadas pelos inquiridos não acabam aqui. Perto de um terço dos consumidores (34%) concorda que as compras nesta altura do ano dão mais problemas (por exemplo, atrasos na entrega, dificuldades na devolução, etc.) do que nos períodos não promocionais. 

Como fizemos o estudo

Entre 7 e 14 de novembro de 2022, fizemos um inquérito online a uma amostra da população adulta portuguesa, entre 18 e 74 anos. No total, obtivemos 2000 respostas válidas, que foram ponderadas para refletirem a opinião da população em termos de género, idade, nível educacional e região. Os resultados refletem a opinião e a experiência dos inquiridos, mas podem ser considerados como tendências representativas da população nacional.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós

 

O conteúdo deste artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais com o consentimento expresso da DECO PROTESTE, com indicação da fonte e ligação para esta página. Ver Termos e Condições.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós