Notícias

​Posso deixar o chapéu-de-sol a marcar o lugar na praia?

Se encontrar um chapéu-de-sol na praia pode ficar com ele, desde que considere que foi abandonado ou está perdido. Mas se souber quem é o dono, deve devolvê-lo.

  • Dossiê técnico
  • Sofia Lima
  • Texto
  • Laís Castro
01 julho 2020
  • Dossiê técnico
  • Sofia Lima
  • Texto
  • Laís Castro
praia cheia com chapéus de sol

iStock

É hábito vermos chapéus-de-sol, toalhas, corta-ventos ou cadeiras espalhadas pela praia sem os respetivos donos por perto. Às vezes, foram almoçar, beber um café ou simplesmente estão a passear à beira-mar. Mas, nalgumas praias, já se deixa o chapéu-de-sol a marcar lugar de um dia para o outro. O que pode acontecer se, numa bela manhã, chegar à praia e encontrar um castelo de areia, em vez do guarda-sol que lá ficou no dia anterior? 

Nalguns casos, quem encontra o chapéu-de-sol pode ficar com ele, desde que se considere, por exemplo, que foi abandonado. Ou seja, quem encontrou o chapéu está convicto de que foi abandonado, algo plausível se deparar com um guarda-sol numa praia deserta às 8 da manhã, sem o dono por perto. Assim, quem quiser marcar lugar na praia deve lembrar-se de que, se alguém encontrar o guarda-sol (cadeira, corta-vento, ou outros objetos), poderá considerá-lo abandonado e ficar com ele. 

Por outro lado, se encontrar um chapéu-de-sol e não tiver a certeza de que foi abandonado nem souber de quem é, o aconselhável é informar o facto da forma mais adequada. Por exemplo, pode avisar um nadador-salvador. Caso ninguém reclame o objeto, poderá ficar com ele.  Mas se souber a quem pertence, deverá entregá-lo ao seu dono ou, se possível, avisá-lo.

Pode acontecer ainda a pessoa marcar lugar numa área concessionada, onde são alugadas cadeiras, espreguiçadeiras e chapéus de sol. No limite, sujeita-se a pagar uma coima, pois não é permitido invadir as zonas concessionadas. Para saber quais são, consulte o edital de praia, que informa também quais são as atividades interditas. Os editais estão afixados em placards à entrada das praias.


 

Este artigo pode ser reproduzido para fins não-comerciais se for indicada a fonte e contiver uma ligação para esta página. Ver Termos e Condições.

Junte-se à maior organização de consumidores portuguesa

Num Mundo complexo e com informação por vezes contraditória, a DECO PROTESTE é o sítio certo para refletir e agir.

  • A nossa missão exige independência face aos poderes políticos e económicos. 
  • Testamos e analisamos uma grande variedade de produtos para garantir que a escolha dos consumidores se baseia em informação rigorosa. 
  • Tornamos o dia-a-dia dos consumidores mais fácil e seguro. Desde uma simples viagem de elevador ou um desconto que usamos todos os dias até decisões tão importantes como a compra de casa.
  • Lutamos por práticas de mercado mais justas. Muitas vezes, o País muda com o trabalho que fazemos junto das autoridades e das empresas. 
  • Queremos consumidores mais informados, participativos e exigentes, através da informação que publicamos ou de um contacto personalizado com o nosso serviço de apoio.

A independência da DECO PROTESTE é garantida pela sustentabilidade económica da sua atividade. Manter esta estrutura profissional a funcionar para levar até si um serviço de qualidade exige uma vasta equipa especializada.

Faça parte desta comunidade.

Registe-se para conhecer todas as vantagens, sem compromisso. Subscreva a qualquer momento.

Junte-se a nós