Notícias

Mais praia: avalie e alerte para falhas

16 julho 2015 Arquivado
Campanha Mais praia

16 julho 2015 Arquivado

A nova plataforma junta informação para mais de 500 praias marítimas e fluviais. Pode também denunciar problemas às entidades responsáveis.

Na plataforma Mais Praia, pode dar-nos a sua opinião sobre as praias que frequenta. O objetivo é obter um ranking com base nas avaliações dos utentes. Vote e classifique cada aspeto (qualidade da água, limpeza da praia e acessos, entre outros) numa escala de 5 estrelas. Se encontrar problemas, deixe a sua denúncia, acompanhada de uma fotografia. Tratamos de re-encaminhar à entidade com competências na área. 

Pode ainda pesquisar as condições de cada praia e os resultados das análises à água. É possível também aceder a informações úteis sobre as praias portuguesas: duração da época balnear, galardões Bandeira Azul e Praia Acessível, vigilância, equipamentos e estacionamento, entre outros.

Água das praias: avaliação contínua
A identificação das águas balneares e a qualificação das praias de banhos é aprovada por portaria do Governo, a publicar em Diário da Republica até 1 de março de cada ano.
A duração das épocas balneares define-se em função do período previsto de maior afluência de banhistas, tendo em conta as condições climatéricas, as características geofísicas e os interesses sociais ou ambientais da localização.

As autoridades portuguesas estão obrigadas a controlar a qualidade da água e a segurança das praias. Quando a água está imprópria, o banho pode ser desaconselhado ou mesmo proibido. A costa portuguesa estende-se por muitos quilómetros de vastos areais que, combinados com o clima mediterrânico, tornam as nossas praias locais bastante concorridos. No interior, as praias fluviais são o principal cartão-de-visita de muitos municípios. Acessos, infraestruturas e segurança são pedras de toque para que a época balnear decorra sem transtornos. 

A qualidade da água é um fator de saúde e um importante indicador ambiental e de desenvolvimento turístico. A Agência Portuguesa do Ambiente e respetivas administrações regionais, em articulação com os municípios e com as entidades responsáveis por descargas na água e no solo, têm a obrigação de elaborar e divulgar os perfis das águas balneares até março de cada ano. Objetivo: tomar medidas para prevenir ou solucionar casos de poluição suscetíveis de afetarem a saúde dos banhistas.

Más, aceitáveis, boas e excelentes
Antes do início de cada época, estabelece-se um programa de monitorização para as águas balneares, com um mês de intervalo máximo entre as análises. Quando a água está imprópria, o banho pode ser desaconselhado ou mesmo proibido. No último caso, a autoridade de saúde considera relevante o risco para os banhistas se um resultado dos parâmetros analisados ultrapassar os valores estabelecidos por lei. 

Sinais que podem ser afixados quando a água está imprópria para tomar banho ou se desconhece a sua qualidade.
Sinais que podem ser afixados quando a água está imprópria para tomar banho ou se desconhece a sua qualidade.

As águas podem obter a classificação anual de má, aceitável, boa ou excelente. No mínimo, deverão obter qualidade aceitável, até ao final da época balnear de 2015. Para atingir esse objetivo, devem tomar-se medidas adequadas também para o aumento do número de águas balneares classificadas como excelente e boa. Uma determinada água balnear pode ficar assinalada "Sem Classificação" se não cumprir, por exemplo, todas as condições de amostragem ou por ter sido identificada pela primeira vez.

Normalmente, encontra este símbolo, e os outros com a correspondente sinalética, no painel informativo da praia ou no perfil da praia publicado no portal da Agência Portuguesa de Ambiente.
Normalmente, encontra este símbolo, e os outros com a correspondente sinalética, no painel informativo da praia ou no perfil da praia publicado no portal da Agência Portuguesa de Ambiente.

Imprimir Enviar por e-mail