Notícias

Acidente fora do país: o que fazer

30 abril 2015

30 abril 2015

De férias em Madrid, a nossa leitora M.S. escorregou à entrada da sala de refeições do hotel e fraturou uma perna. Foi tratada em Portugal e agora quer responsabilizar o hotel.

Após o acidente, M.S. foi transportada de ambulância para um hospital da cidade, onde ficou a saber que teria de ser operada, no máximo, em 48 horas. Optou por ser tratada em Portugal, num hospital privado.

Para garantir o transporte em maior segurança, contratou uma ambulância. Pela deslocação e pela cirurgia, pagou mais de 12 mil euros.

Resolvida a questão de saúde, a leitora contactou a agência de viagens para saber como poderia ser ressarcida. Foi informada de que o hotel não assumiria qualquer responsabilidade, por ter sido ativado o seguro de viagem. Deste, receberia 1250 euros.

Inconformada, a leitora pediu-nos informação sobre o que fazer para reaver o dinheiro. Primeiro, convém expor a situação diretamente ao hotel, para saber qual a sua política nestes casos. Tratando-se de uma entidade estrangeira, os nossos serviços não podem atuar, mas M.S. pode contactar o Centro Europeu do Consumidor, na Praça Duque de Saldanha, 31, 1.º, 1069-013 Lisboa (euroconsumo@dg.consumidor.pt). Esta entidade dá informação sobre os direitos do consumidor na União Europeia e presta assistência na resolução de conflitos em transações transfronteiriças. 

Se, como a leitora, viajar para o estrangeiro, informe-se sobre a forma de atuar em caso de doença. No caso da União Europeia, da Islândia, do Liechtenstein, da Noruega ou da Suíça, convém levar o Cartão Europeu de Seguro de Doença, que poderá obter na Segurança Social.


Imprimir Enviar por e-mail