Notícias

Vacinas: precaução indispensável

01 outubro 2020
vacinas

A hepatite B é muito contagiosa e não tem cura. A vacina é a forma de prevenção mais eficaz. Veja quem tem interesse recebê-la.

Hepatite B

É uma doença muito contagiosa que se transmite através do sangue, da saliva e do sémen. Manifesta-se, muitas vezes, por um amarelecimento da pele e dos olhos. Caso se torne crónica, a hepatite B pode degenerar em cirrose e multiplica por 2000 o risco de cancro do fígado. Em caso de hepatite fulminante, quase todas as células do fígado são destruídas e, em cada quatro doentes, três morrem.

A vacina da hepatite B é administrada a todos os recém-nascidos. Os adultos que ainda não foram vacinados, têm todo o interesse em fazê-lo (embora tenham de pagar a vacina), sobretudo se pertencerem a um grupo de risco (profissionais de saúde, bombeiros, etc.). Esta doença é muito contagiosa e não tem cura certa. Além disso, estudos provam que a vacina contribui para diminuir os casos de cancro do fígado.

Após a vacinação completa, não é necessário fazer análises para controlar o efeito desta, a não ser em grupos específicos de pessoas como os imunodeprimidos. Estudos recentes revelaram que a vacina confere uma proteção duradoura, mesmo quando os anticorpos no sangue ficam baixos, pelo que não se justifica fazer reforços na generalidade das pessoas.

A vacina contra a hepatite B pode provocar inchaço no local da injeção, febre, cansaço e dores de cabeça. Mas estes sintomas são passageiros.