Notícias

Terapia da fala: entre 15 e 75 euros por sessão

25 janeiro 2017
Thumb_terapia da fala

Consultas caras, que podem multiplicar-se por meses, é a alternativa à disposição dos pais quando a ajuda especializada não chega em tempo útil às escolas públicas.

Primeira consulta decide tratamento

Para analisarmos os preços das consultas, entre novembro e dezembro de 2016, contactámos 274 terapeutas da fala de 209 consultórios do Continente e Ilhas. Com os dados das tabelas de preços, os nossos inquiridores, que se identificaram como colaboradores da TESTE SAÚDE, preencheram um questionário em formato eletrónico. Mais de metade dos estabelecimentos analisados dispõe de acordos, protocolos ou convenções para permitir descontos nas sessões. Se a tabela de preços não estiver afixada (três em cada dez estabelecimentos visitados não a tinham em local visível), não hesite em pedi-la.

Da primeira consulta, depende o diagnóstico: trata-se do momento de avaliação e de decisão face à eventual necessidade de acompanhamento terapêutico. Deve incluir um estudo completo das competências comunicativas e das perturbações do paciente. De acordo com o nosso estudo, esta primeira consulta, na maioria dos casos, é mais cara do que as sessões seguintes, tanto no caso de crianças como de adultos. O preço mais frequente é de 40 euros. Mas, para os mais pequenos, encontrámos valores entre 15 e 75 euros e, para os adultos, entre 20 e 75 euros.

Se na consulta de avaliação ficar decidido que existe necessidade de acompanhamento, é delineado um programa individual. No caso de uma criança, os familiares devem ser envolvidos e receber informações sobre o plano. Da sua intervenção também depende o sucesso do tratamento. Este desenrola-se ao longo de várias sessões, cujo preço mais frequente é de 35 euros. Mas pesquise bem, pois encontrámos consultas entre os 15 e os 70 euros para crianças e entre os 20 e os 75 euros para adultos.

As sessões têm duração variável, que pode depender das necessidades do paciente. O mínimo são 15 minutos, ao passo que o máximo encontrado foi de 60 minutos quando se tratava de uma criança e de 90 minutos de um adulto.

Em 90 dos 209 consultórios visitados, obtivemos a indicação de que os terapeutas também poderiam dar assistência em escolas, ao domicílio ou noutras clínicas. Nem todos referiram o preço destas sessões externas. Na maioria dos casos em que foi revelado, não diferia do praticado no estabelecimento de origem. Nos outros, notámos um aumento de 5 euros, justificado com o custo da deslocação.

Ao nível das regiões, o nosso estudo apurou que os distritos de Coimbra, Lisboa e Santarém praticam preços acima da média do País nas consultas para crianças. Já nas regiões de Bragança, Vila Real e Viseu encontrámos preços competitivos. Mas os Açores e a Madeira são mesmo os locais mais baratos, com valores muito abaixo dos recolhidos na generalidade das regiões.

Coimbra, Lisboa e Santarém voltam a ser as regiões mais caras e os Açores e a Madeira as mais baratas, agora nas consultas para adultosEntre aquelas com preços competitivos, posicionam-se Beja, Bragança, Setúbal, Vila Real e Viseu.

Ao procurar um terapeuta, considere como referência os valores que identificámos com o nosso estudo.