Notícias

Qualidade do ar: escola de Rio Maior retirou amianto

26 setembro 2014 Arquivado
Ar escolas

26 setembro 2014 Arquivado

A Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Pereira da Silva, de Rio Maior, removeu as placas com amianto danificadas em agosto, mas só o comunicou após a divulgação do nosso estudo. Fica por esclarecer se foram implementadas medidas para resolver os restantes problemas da qualidade do ar.

A Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Pereira da Silva, de Rio Maior, a respetiva Associação de Pais e a Câmara Municipal de Rio Maior reagiram à publicação do nosso estudo sobre a qualidade do ar nas escolas, acusando-nos de faltar à verdade no que respeita à existência de placas com amianto danificadas nas coberturas do estabelecimento.

Segundo aquelas entidades, os ditos materiais foram retirados em agosto de 2014. A nossa inspeção ocorreu em finais de março de 2014 (e não de 2013, como chegou a ser veiculado na imprensa), com conhecimento e acordo prévio da escola. A deslocação do técnico aos estabelecimentos de ensino foi agendada e acompanhada por funcionários ou professores da escola.

Todas as amostras recolhidas seguiram para análise laboratorial. Após o trabalho no terreno, que durou três meses, por termos abrangido escolas de todo o País, os dados foram tratados e analisados e as escolas informadas dos resultados, a 12 de setembro de 2014.

Entre o envio dos resultados à Escola Básica Integrada Fernando Casimiro Pereira da Silva e a comunicação do estudo, não recebemos qualquer informação sobre execução das obras de remoção das placas contendo amianto, a única possibilidade ao nosso alcance para atualizar os dados entretanto difundidos.

Congratulamo-nos com a resolução daquele problema que certamente muito preocupava aquela comunidade escolar. No interesse de alunos, professores e funcionários, esperamos que tenham sido igualmente tomadas medidas para dissipar os níveis elevados de bactérias (456 UFC/m3) e de compostos orgânicos voláteis (2500 microgramas/m3, bastante acima dos 1200 tolerados pela legislação) detetados no estudo.