Alertas

Comer cápsulas de detergente é o novo desafio da net e pode ser fatal

16 janeiro 2018
Detergentes em cápsulas: quando não são o que parecem

16 janeiro 2018
O Tide Pod Challenge é o novo desafio da internet. Os adolescentes filmam-se a comer cápsulas de detergente. Uma brincadeira que pode ser fatal. 

As cápsulas de detergente contêm ingredientes que se dissolvem rapidamente quando entram em contacto com água ou saliva. Em 2012, nos Estados Unidos, ocorreram cerca de 500 acidentes relacionados com este tipo de detergentes envolvendo crianças e adultos. Os sintomas vão da perda de consciência, vómitos e sonolência, ao inchaço na garganta e dificuldade em respirar.

Quando estão húmidas ou molhadas, as pequenas bolsas que contêm o detergente degradam-se em pouco mais de 10 segundos, expondo a pessoa a uma série de substâncias químicas nocivas por ingestão ou até pelo simples contacto com os olhos e a pele. Se isso acontecer, lave muito bem a boca, a cara e as mãos da pessoa afetada. Não provoque o vómito. Recorra às urgências hospitalares ou ligue para o Centro de Informação Antivenenos (CIAV) através do 808 250 143.

Como alerta para o perigo das cápsulas de detergente e a necessidade de as manter longe do alcance das crianças, por exemplo, que facilmente as podem ingerir, a Comissão Europeia lançou a campanha “Os miúdos não veem a diferença” (do inglês Kids don’t see the difference). Em Portugal, a Direção-Geral de Saúde e a Direção-Geral do Consumidor apoiaram esta campanha e lançaram um vídeo esclarecedor sobre como a forma de explorar o mundo leva as crianças a correr um perigo real.

A mais recente legislação tornou obrigatórios alguns requisitos. Um detergente líquido para a roupa destinado aos consumidores e contendo embalagens solúveis de utilização única deve:
  • estar acondicionado numa embalagem exterior;
  • as embalagens não devem ter formas ou design atrativos para as crianças ou suscitar a sua curiosidade. Não podem induzir o consumidor em erro, ao assumir uma apresentação semelhante à utilizada para géneros alimentícios, alimentos para animais, medicamentos ou produtos cosméticos;
  • a embalagem exterior deve ser opaca ou escura, impedindo a visibilidade do produto ou das doses individuais; ter em local visível a recomendação de “Manter fora do alcance das crianças”; ser um recipiente que se volte a fechar facilmente e que se mantenha de pé; ter um fecho que exija ação coordenada de ambas as mãos, com uma força que dificulte a sua abertura por crianças pequenas e que mantenha a sua funcionalidade em condições de abertura e fecho repetidos, durante todo o ciclo de vida útil da embalagem;
  • a cápsula deve conter um agente repulsivo numa concentração segura que provoque uma reação oral de rejeição no tempo máximo de 6 segundos, em caso de ingestão acidental. Deve reter o conteúdo líquido, pelo menos, por 30 segundos quando for colocada na água a uma temperatura de 20 °C e resistir a alguma força de compressão mecânica.