Dossiês

Segurança online: como proteger os mais novos

06 outubro 2014
Segurança online

06 outubro 2014

Mais de 60% das crianças e dos adolescentes fala diariamente em salas de conversação online. A pensar na sua proteção, a União Internacional das Telecomunicações (UIT) lançou o projeto global Child Online Protection.

Evitar os predadores sexuais

Muitos predadores sexuais usam as redes sociais, os chats, os programas de mensagens instantâneas e os e-mails para conquistar a confiança dos mais novos. É o chamado grooming (termo em inglês para designar aliciamento). Altamente manipuladores, introduzem na conversa o tema “sexo”, recorrendo a fotografias e a linguagem explícita para distrair e confundir a vítima. Através de prendas ou de dinheiro, tentam aliciá-la até determinado local, onde possa ser “apanhada”. Muitas vezes, os encontros são fotografados ou filmados. Outra tentativa passa por convencer a criança ou o adolescente a tirar fotografias ou a participar em atividades sexuais filmadas. Os conteúdos são depois partilhados online.

Os jovens com baixa auto-estima ou com pouca maturidade emocional estão mais vulneráveis a estas manipulações. Alguns hesitam em contar aos adultos porque são ameaçados pelo predador sexual, por vergonha ou por receio de perder o acesso à Net. É importante alertar os mais novos para o perigo do grooming.

  • Por vezes, os predadores sexuais fazem-se passar por crianças ou adolescentes, de forma a ganhar a confiança da vítima. Explique ao seu filho que, na Internet, nem toda a gente é aquilo que diz ser.
  • É preciso ensinar a proteger a privacidade. No mundo real, a criança ou o adolescente não daria metade das informações que, por vezes, faculta online, como o nome completo, a morada, a escola ou o número de telemóvel.
  • As curiosidades e as dúvidas sobre os sentimentos e a sexualidade são perfeitamente normais, e a Internet tem um manancial de informação disponível. O melhor é encorajar a criança ou o adolescente a falar com quem conhece e confia.
  • Deixe um alerta ao seu filho: deve contar-lhe qualquer proposta indesejada que receba. A situação deve ser participada ao proprietário do site e à polícia. As mensagens e os e-mails têm de ser guardados, pois servem de prova contra o predador.