Dossiês

Segurança online: como proteger os mais novos

06 outubro 2014
Segurança online

06 outubro 2014

Mais de 60% das crianças e dos adolescentes fala diariamente em salas de conversação online. A pensar na sua proteção, a União Internacional das Telecomunicações (UIT) lançou o projeto global Child Online Protection.

A partir dos 13: net-etiquetas para adolescentes

A maioria dos adolescentes usa diariamente as redes sociais, as aplicações de mensagens instantâneas, os jogos e as pesquisas digitais. O acesso à Internet é uma parte fundamental do seu quotidiano, pois ajuda a comunicar com os amigos e a organizar a vida escolar.

Mas, neste contexto, é mais fácil os adolescentes esquecerem que estão a interagir com uma pessoa de carne e osso. É simples dizerem e fazerem coisas que evitariam na vida real. Tal pode ofender ou envergonhar quem está do outro lado. Explique ao seu filho a importância de ser educado também na Internet, tratando os outros como gostaria de ser tratado. Se alguém disser algo ofensivo ou que o faça sentir desconfortável, aconselhe a não responder e incentive a abandonar o chat. Peça que lhe conte caso se depare com linguagem ou imagens inapropriadas ou assustadoras.

O contacto constante com a Net pode expor os mais jovens a sites pornográficos, de abuso infantil, que incitam à violência ou ao ódio racial. Muitas vezes, vão lá parar acidentalmente, através de e-mails, das redes sociais, de programas P2P (do inglês peer-to-peer, ou seja, dispositivos que comunicam entre si de igual para igual). Nesta faixa etária, os cuidados devem ser redobrados.

  • Nas pesquisas, é importante ter uma ideia aproximada do que se procura, indicando, por exemplo, o tema (desporto, cinema, jogos, etc.). Quando se clica numa página e outras começam a abrir automaticamente, é de desconfiar. Se tem adolescentes em casa, partilhe algumas técnicas para apurar se a página é fidedigna, como identificar o proprietário do site ou o seu contacto. Alguns endereços usam-se da semelhança com nomes de confiança, por isso convém confirmar se foram escritos corretamente.
  • As páginas com conteúdos violentos, racistas, ilegais ou pornográficos devem ser denunciadas à polícia.
  • Quando o seu filho cria um perfil, uma conta ou um blogue, deve confirmar como serão usados os dados pessoais. Algumas empresas recolhem-nos para fins comerciais ou para fornecer a terceiros. Esclareça que, caso não queira ceder tais informações, pode preencher apenas os campos obrigatórios ou mudar de site. 
  • Existem truques para reforçar a privacidade de uma conta, como criar um endereço de e-mail e uma palavra-passe difíceis (combinando números e letras). Outra estratégia é ter 2 contas de e-mail: uma para os amigos reais e outra para os sites que exigem um registo.
  • Os adolescentes devem ser ensinados a não abrir documentos e programas de fontes desconhecidas. Muitos desses conteúdos são usados para decifrar palavras-passe ou para extrair informações dos e-mails.
  • A imagem é um dado pessoal, à semelhança do nome. É essencial explicar aos mais novos que as suas fotos, bem como as dos seus amigos, não devem ser partilhadas indiscriminadamente e sem autorização. Devido à sua natureza digital, as fotografias inocentes podem ser manipuladas, ganhando um novo caráter.