Como testamos

Detergentes para a máquina da loiça: como testamos

22 março 2021
Como fundo da imagem, o tabuleiro superior de uma máquina de lavar loiça com loiça lavada no interior. Em primeiro plano, uma mão a agarrar um copo de água grande, também limpo.

Usámos chávenas, pratos, talheres e copos sujos, que representam a loiça lavada diariamente numa casa comum, como resíduos alimentares de leite queimado, chá e óleo.

Para avaliar o desempenho dos detergentes, procedemos a testes laboratoriais onde verificamos os resultados da lavagem, secagem e aspeto da loiça lavada. Mas vamos mais além destas provas: as indicações presentes no rótulo e a avaliação ambiental do detergente e da sua embalagem são também consideradas para, finalmente, lhe podermos dizer quais são os pontos fortes e fracos de cada produto testado.

Usámos três conjuntos de talheres, loiça e copos, num total de 58 peças, para avaliar a eliminação de sujidade provocada por: 

  • chá, uma sujidade oxidável que é sensível aos agentes de branqueamento que o detergente possa conter. Usámo-la para comprovar a eficácia do detergente na remoção de manchas com pigmentos que deixam vestígios de cor;
  • amido, cujos resíduos mostram se um produto é eficaz a remover restos de batatas, arroz, farinha e massa; (detergentes com a enzima amylase tendem a ser mais eficazes neste tipo de sujidade);
  • proteínas, essenciais para verificar a limpeza de restos de ovo e carne, por exemplo; (detergentes com a enzima protease tendem a ser mais eficazes neste tipo de sujidade);
  • leite ressequido, uma sujidade persistente e das provas mais difíceis. É usado como indicador do poder de limpeza geral de um detergente;
  • sujidade diária, ou seja, uma mistura de outros alimentos que incluiu amido de milho, farinha de trigo, óleo vegetal, margarina, natas, ovo, mostarda, óleo de fritar e ketchup. Foi adicionada em cada teste para reproduzir as condições das lavagens domésticas, em que é comum encontrar loiça suja com diferentes tipos de ingredientes.

Os produtos “tudo em 1” são testados em ciclos normais de lavagem, sem adição suplementar de sal ou abrilhantador. Os detergentes simples ou clássicos são testados com abrilhantador e sal.

Avaliámos a quantidade de resíduos ou os vestígios que permanecem na loiça no final de cada um dos 3 ciclos de lavagem usados nesta prova. Um resultado de cinco estrelas indica que todas as manchas foram removidas.

Secagem

Um total de 62 peças, entre pratos, talheres e recipientes de plástico, foi lavado 2 vezes, com o propósito de verificar o grau de secagem dos detergentes, tendo antes adicionado a mesma mistura de ingredientes para sujar a loiça.

Aspeto da loiça lavada

No fim de cada ciclo de lavagem verificámos se existiam manchas, marcas de água, resíduos ou embaciamento, tarefa repetida ao fim de dez lavagens.

O calcário naturalmente presente na água pode provocar manchas, por isso é necessário que a lavagem se faça na presença de sal regenerador, já incorporado nos detergentes tudo-em-1. Mas condições demasiado alcalinas também podem levar ao aparecimento de um filme baço. É o tipo de depósito que pode frequentemente ser removido com a passagem por água ou com um pano. Contudo, caso não sejam removidos após a primeira lavagem tendem a acumular, tornando-se muito mais difíceis de eliminar.

Também foi verificado se copos e pratos perderam algum do brilho inicial ao longo das lavagens.

Para recomendar os melhores detergentes para máquinas de lavar loiça e apontar os que devem ser evitados, testámos cada produto 15 vezes com pratos, copos, talheres e chávenas sujos.

Avaliação ambiental

Na hora de escolher, cada vez mais se coloca a questão sobre o impacto ambiental dos detergentes. A nossa avaliação final não ficaria completa ser contemplarmos a embalagem e a fórmula do detergente. Começámos por procurar a lista de ingredientes de cada produto que, por lei, deve estar disponível para todos os consumidores. Constámos que algumas marcas não facultam esta informação nos sites e/ou está desatualizada.

Analisámos as substâncias incorporadas nos detergentes sob o ponto de vista da toxicidade para o meio aquático, onde acaba por ir parar a maioria dos químicos das lavagens. Cada substância foi avaliada com base nas informações disponibilizadas pela Agência Europeia dos Produtos Químicos (ECHA) e outros organismos que estudam o impacto destas substâncias na saúde humana e ambiente. Entre 10 e 35: é o número de ingredientes totais que podemos atualmente encontrar nos detergentes para a loiça. Alguns produtos são um catálogo de substâncias não essenciais e com reconhecido impacto no ecossistema aquático, como é o caso de vários perfumes, totalmente dispensáveis, e agentes conservantes, frequentemente mal escolhidos.

Não esquecemos a análise da embalagem, premiando as que usam pouco material, incorporam reciclado, estão bem cheias e indicam claramente onde se deve colocar a embalagem vazia. Gostaríamos, também, de ter visto já a possibilidade dos produtos analisados poderem serem comprados em recargas ou mesmo em embalagens reutilizáveis. Um desafio da economia circular que ainda não foi adotado.