Dicas

Fornos a vapor: como escolher e usar

10 novembro 2014
fornos a vapor

10 novembro 2014

Os fornos a vapor preparam os alimentos de uma forma mais saudável. Mas acusam um apetite enorme por eletricidade, não são fáceis de manusear e o preço costuma ser elevado.

Cozinhar a vapor é uma prática seguida por quem procura formas de preparar refeições rápidas, saborosas e saudáveis. Este método, que cozinha os alimentos sem contacto direto com a água, conserva mais o sabor, a textura e os nutrientes do que a cozedura tradicional. Os fornos a vapor são uma boa opção para quem segue esta tendência mas, com um painel de comandos algo complexo, exigem conhecimentos à altura.

Combinados ou só a vapor
Entre os fornos a vapor distinguem-se dois tipos. Os fornos combinados, ou seja, tradicionais com a função de cozer a vapor, contêm um reservatório de água (que libertará o vapor) que pode ser atestado durante a cozedura sem a interromper, o que é muito prático. Estes modelos permitem assar, cozinhar a vapor e, por vezes, grelhar alimentos, com um só aparelho.

Os fornos compactos, exclusivamente a vapor, embora cumpram melhor esta função do que os anteriores, nem sempre são fáceis de manusear. Muitos não permitem voltar a encher o reservatório de água durante a confeção sem interromper o processo.

Muita habilidade e pitada de bom-senso
Se está habituado aos fornos convencionais simples, convém ler o manual de um a vapor para ganhar prática até dominar as funções. Uma das dificuldades pode estar no manuseamento do reservatório de água. Os fornos com reservatório horizontal são os mais complicados de usar, já que é difícil instalá-los sem entornar água.

Quase todos os fornos possuem proteção para crianças mas existem outras caraterísticas a ter em conta: porta de vidro, para monotorizar o cozinhado, e a facilidade de limpeza. Neste aspeto, a principal dificuldade é retirar a água acumulada no forno.

As dificuldades de utilização e o consumo elevado de eletricidade, são os principais pontos negativos de muitos fornos a vapor. Na generalidade, também pecam pelo preço elevado.

Cozinhar a todo o vapor
Os brócolos são um dos legumes que com mais frequência se cozem a vapor. Todos os fabricantes dão instruções para cozinhá-los. Embora, a vapor, seja preciso bastante mais tempo do que os cerca de 4 minutos para cozer de forma tradicional, o consumo de água é reduzido. A maioria dos fornos precisa menos do que o peso dos brócolos em água, ou seja, 3 a 5 vezes menos do que o necessário para os cozer imersos em água. Em geral, os brócolos cozidos num forno a vapor mantêm a cor verde e a cozedura é uniforme.

Embora não sejam tão eficientes a cozinhar ervilhas congeladas, a maioria destes fornos revelam-se na cozedura das batatas. Os fabricantes explicam a melhor forma de o fazer, sendo o tempo necessário entre cerca de 25 a 30 minutos (não muito mais do que para cozer em água). Além de mais suculentas, as batatas cozidas a vapor ficam menos “farinhentas” e surgem envoltas numa espécie de filme que lhes dá uma textura agradável.

Preparar uma refeição completa composta por salmão, batatas e brócolos é mais prático no forno a vapor. Não existe transferência de sabor ou odor entre os alimentos e, em geral, ficam bem cozinhados. Apenas uma nota: combinar alimentos com tempos diferentes de cozedura exige atenção redobrada.


Imprimir Enviar por e-mail