Como testamos

Robôs de cozinha: como testamos

26 junho 2020
mulher a cortar legumes para a taça de um robô de cozinha

Os robôs de cozinha poupam tempo e dispensam outros pequenos eletrodomésticos. No entanto, não permitem deixar de lado o fogão e têm uma capacidade para apenas 4 pessoas. A grande desvantagem é o preço.

Avaliamos robôs e processadores de alimentos. Como robô de cozinha, avaliamos o desempenho a bater claras em castelo, massa para bolos e pão, preparação de maionese e a passar comida para bebé, entre outras funções. Também picamos frutos secos, ervas e cebolas e ralamos queijo e cenoura. Incluímos o teste "nice cream", em que é testado um gelado com banana, iogurte e fruta congelada.

Preparamos sopa, strogonoff, arroz doce e farófias para testar as máquinas como processadores de alimentos. Avaliamos as máquinas na função cozinhar a vapor, com uma receita de salmão e legumes.

Para confecionar as refeições, preparamos as receitas dos fabricantes. Avaliamos o tempo, a qualidade e o sabor dos pratos.

Verificamos se é fácil programar o equipamento, colocar e retirar a tampa e o copo, assim como retirar o cozinhado do interior. No painel de controlo avaliámos a clareza, os avisos, a visibilidade de todos os ângulos e a posição, para ser fácil programar. Verificamos, também, a facilidade de utilização das apps e a conexão com os equipamentos.

Em laboratório, medimos a precisão da temperatura quando cozinha a baixa temperatura (37ºC/40ºC – consoante os modelos) e também a temperatura máxima.

Avaliamos a construção, a estabilidade e a vibração a diferentes velocidades. Medimos o ruído em funcionamento. Para aferir a durabilidade, colocamos as máquinas a funcionar num total de 50 horas em 6 dias. Registámos os valores de consumo em funcionamento e em stand-by.

Peso dos critérios do teste na avaliação

Robôs de cozinha: como testamos